Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linha White

Como é produzida a voz? O que fazer para manter uma voz saudável?

A voz inicia-se no cérebro, que envia impulsos para a laringe. É na laringe que se localizam as pregas/cordas vocais.

A voz é produzida através da vibração das cordas vocais, sendo essa vibração realizada através do ar dos pulmões que sobe pela traqueia até à laringe e faz vibrar a mucosa das cordas vocais.

Posteriormente o som é ampliado e modelado pelas cavidades de ressonância através da garganta, boca e nariz.

 

voz.jpg

pv.jpg

 Como manter uma voz saudável:

  • Evitar gritar;
  • Evitar falar muito alto;
  • Evitar fumar e evitar ambientes com fumo de tabaco;
  • Evitar locais com ar condicionado. (Nos casos em que não for possível deverá fazer uma maior hidratação vocal);
  • Evitar diferenças temperaturas;
  • Evitar o consumo excessivo de bebidas com cafeína, álcool ou gaseificadas;
  • Evitar bebidas muito quentes e ou muito frias.
  • Evitar tossir com demasiada força;
  • Evitar pigarrear (limpar a garganta).
  • Beber água à temperatura natural (entre 6 a 8 copos por dia).
  • Falar devagar, com ritmo e pausas.
  • Limpar o nariz com soro ou outro tipo de soluções nasais.
  • Ter uma postura corporal adequada, porque melhor a respiração e, logo, a voz.

 

 

Selantes de fissuras

Os selantes de fissuras são materiais adesivos aplicados nas fossas e fissuras estreitas e profundas dos molares e pré-molares para prevenir o aparecimento de lesões de cárie dentária ou interromper a sua progressão.

 

Este material cria uma barreira física no dente que impede a retenção de bactérias e alimentos nesses locais, tornando a superfície mais fácil de limpar. Quando o selante é aplicado, ele “escorre” e penetra nas fossas e fissuras do esmalte dentário, formando uma película protetora. Essa película protetora de selante não deve ser muito espessa, pois poderá interferir na oclusão dentária (na mordida). Ela deve apenas cobrir as fissuras dos dentes posteriores.

 

Esta intervenção é aconselhada apenas a pessoas de risco, ou seja, quem tenha fissuras muito profundas, com dificuldade na higiene das mesmas. Nessas depressões depositam-se os restos alimentares e bactérias potenciando o alto risco de desenvolver lesão de cárie dentária. Ao selar estas fissuras o risco de cárie dentária é diminuído.

 

Periodicamente, devemos realizar exames radiográficos, controlar a higiene oral e orientar o consumo de sacarose e carboidratos para evitar a instalação da lesão de cárie noutra superfície.

 

Neste contexto, o selante de fissuras oferece benefícios como ausência de dor durante a aplicação, boa aceitação por parte das crianças, além de ser considerado um procedimento adesivo conservador.

 

 Normalmente, a aplicação de selante ocorre:

- Entre os 5 e os 8 anos de idade: quando aparecem os primeiros e segundos molares definitivos;
- Entre os 11 e os 14 anos de idade: quando aparecem os pré-molares.

 

Quais as vantagens dos selantes?

 

-É uma técnica altamente eficaz, atuando essencialmente na prevenção. Os resultados mostram, em média, uma redução de 60% nos níveis de cárie dentária, num período entre dois a cinco anos após a colocação dos selantes. As cáries incipientes (cáries muito superficiais) podem deixar de progredir quando o selante é aplicado.

-É uma técnica não invasiva, rápida, indolor e pouco dispendiosa.

-Não implicam a utilização de material complexo.

-Podem ser reaplicados, caso seja necessário.

 

 A aplicação de selante não dispensa uma correta higiene oral nem a realização de uma consulta de rotina de 6 em 6 meses, no mínimo.

selantes.gif

 

Tenho sensibilidade dentária, estarei a fazer alguma coisa mal?

A sensibilidade dentária é a dor causada pela exposição dos túbulos dentinários, que são os canalículos que atravessam a dentina dos dentes.

 

A causa mais comum desta sensibilidade é a exposição da raiz dos dentes na área cervical, devido à retração gengival. Como a raiz não está coberta pelo esmalte, milhares de canalículos que vão do centro do dente e levam o feixe nervoso da polpa até a superfície ficam expostos e acusam a dor. Quando o calor, frio ou pressão afeta esses canalículos, sente dor.

 

A sensibilidade dos dentes geralmente pode ser tratada ou até muitas vezes é reversível. Algumas das causas para a sensibilidade passam por:

 

  • Escovagem com pasta muito abrasiva
  • Escovagem incorreta
  • A gengivite pode provocar recessões
  • Escovagem com escova demasiado dura
  • Bebidas ácidas
  • Bruxismo
  • Fraturas ou lascas nos dentes
  • Branqueamento
  • Restaurações extensas ou desadaptadas

 

Dicas para diminuir a sensibilidade:

  • Use uma escova de cerdas bem macias;
  • Use uma pasta própria para a sensibilidade.

Manchas dentárias

Existem vários tipos de manchas dentárias, podendo elas ser de cariz exógeno ou endógeno, consoante o fator causal.

As manchas exógenas são maioritariamente causadas pela alimentação e/ou hábitos orais, como por exemplo o tabagismo, em que o pigmento se fixa à superfície externa do esmalte, sendo por vezes removidos com a escovagem, dentífricos específicos e consultas de Higiene Oral de manutenção.
O café e o tabaco são os principais causadores de pigmentação, podendo conferir manchas de tons acastanhados ou negros, dependendo do tempo de exposição. Os refrigerantes coloridos também podem causar pigmentação, tal como certos molhos, como o ketchup, mostarda, etc.

Quanto às manchas endógenas, estas são formadas durante o período de formação do esmalte e/ou dentina, fazendo parte da superfície dentária, não sendo possível removê-las com técnicas de Higiene comuns.
Muitos dos causadores deste tipo de manchas são o uso prolongado de antibióticos durante a formação do esmalte, conferindo umas riscas que podem variar entre tons de cinza e castanho. A fluorose dentária também se manifesta em forma de manchas no esmalte, quando existe uma ingestão de elevadas quantidades de flúor durante a gestação ou durante a formação do esmalte dentário. A gravidade da fluorose varia consoante a dosagem do flúor ingerido, podendo também apresentar níveis de gravidade diferentes.

Os defeitos de formação do esmalte (Amelogénese imperfeita) e da dentina (Dentinogénese imperfeita) também podem formar manchas dentárias endógenas, sem possibilidade de remoção com consultas de Higiene Oral.

Em casos de manchas endógenas, hoje em dia já existem técnicas capazes de solucionar estas questões, como a microabrasão, branqueamento dentário, compósitos dentários, coroas, próteses, etc.

Na White Clinic, existe uma equipa especializada, capaz de apresentar as melhores opções para cada caso, garantindo a segurança, a funcionalidade e a estética de cada paciente.

tabaco 2.jpg

                                                           

 

 

 

 

 

 

 

   Mancha dentária Exógena-Tabagismo

fluorose 1.jpg

                                                           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   Mancha dentária Endógena-Fluorose

 

O açúcar e a carie dentária. Como prevenir

A carie dentária é uma das doenças orais mais frequentes na população europeia, independentemente da idade.

A sua principal causa deve-se a vários fatores, como por exemplo  maus hábitos alimentares, uma higiene oral pouco eficaz, entre outros fatores do próprio indivíduo.  

O açúcar é um elemento bastante presente na nossa dieta, e é uma das causas principais do aparecimento da carie dentária.   

A prevenção da carie é simples, uma vez que basta simplesmente fazer uma escovagem eficaz e utilizar fio dentário diariamente. 

Mas é essencial também o controlo do consumo de açúcar.  

 

Açúcar escondido

Muitas vezes consumimos grandes quantidades de açúcar sem darmos por isso. A DDR, dose diária recomendada, é de 20-30 gramas. Vamos analizar a quantidade de açúcar que contem alguns dos alimentos que consumimos diariamente: 

–          1 lata de 33cl de Coca-Cola: 35 g de açúcar

–          1 lata de 33cl de ice tea: 23 g de açúcar

–          1 chocolate: 34.7g de açúcar

–          Em 100 g de leite com chocolate: 76.2 g de açúcar

–          Em 100g de cereais cereais de chocolate: 38.3 g de açúcar 

 

Vamos imaginar esta situação: 

Se bebo um copo de leite com chocolate ao pequeno almoço, uma coca-cola à hora do almoço, e como cereais de chocolate ao lanche consumo no total 35+76.2+38.3=149g de açúcar, isto é 119.2 g a mais do que é recomendado.   

 

A solução é fazer uma boa selecção de alimentos, diminuindo o consumo de açúcar e substituindo estes por outras substâncias mais saudáveis com o mesmo sabor. Isto vai ajudar-nos na prevenção da carie e também em seguir uma dieta mais equilibrada.  

 

Substitutos do açúcar 

O uso de adoçantes permite que se produzam menos caries, reduzem o consumo de calorias e tem o mesmo poder adoçante. 

Um exemplo de açúcar é a sacarina, pois não tem calorias e não provoca caries.  A dose diária recomendada é de 5mg por kg do peso corporal. Também devemos considerar o consumo de xilitol (presente na fruta e verduras), uma vez que é o único adoçante que inibe o crescimento de uma das bacterias que provocam o aparecimento da carie (Streptococcus mutans) reduzindo assim o aparecimento da mesma. Também está comprovado clinicamente que o xilitol tem a capacidade de reverter as etapas iniciais da lesão, estimulando a remineralização. 

 

Deglutição Atípica? O que é, como tratar?

O mecanismo de deglutição consiste numa sequência reflexa de contrações musculares que favorecem a descida do alimento da cavidade bucal até ao estomago, sem que haja entrada de alimento na via aérea.  

 

A deglutição deverá atingir a sua maturação aproximadamente aos 3 anos de idade, sendo esta uma deglutição do tipo adulta.

 

O mecanismo de deglutição adulto é caracterizado por um conjunto de movimentos complexos, sendo eles: reunir o bolo alimentar no dorso da língua, elevar a língua até à papila incisiva/palatina, tocar com ápice da língua na papila incisiva/palatina e movimentar o dorso da língua contra o palato duro realizando assim a retropulsão do bolo alimentar.

 

Existem várias etapas no mecanismo de deglutição, sendo elas:

  • Fase Preparatória Oral;
  • Fase Oral;
  • Fase Faríngea;
  • Fase Esofágica;

 

É no decorrer da fase oral que poderemos observar alterações do padrão de deglutição, ou seja, a deglutição atípica.

 

A deglutição atípica é uma forma inadequada da língua e outros músculos realizarem o ato de deglutição. Normalmente, este tipo de deglutição acontece porque há um inadequado movimento dos músculos envolvidos na execução desta função. Este movimento poderá estar alterado pelo tónus, mobilidade e/ou postura lingual.

 

Na deglutição atípica observa-se uma anteriorização da língua, ou seja, uma pressão com interposição nos dentes incisivos centrais e laterais. Esta interposição lingual, leva muitas vezes, a alterações estruturais na arcada dentária.

 

A musculatura oral é fulcral no processo de deglutição, desta forma, se a musculatura não tiver o tónus adequado existirá uma dificuldade nas funções estomatognáticas e consequentemente no vedamento labial, facilitando o desenvolvimento da respiração de suplência.

 

O tratamento em Terapia da Fala para este tipo de alterações deverá ser reeducativo com o objetivo de evitar os hábitos nocivos e movimentos do sistema estomatognático desajustados do padrão normal.

 

Neste tipo de alterações o trabalho em equipa é crucial. Desta forma, é importante um olhar clínico interdisciplinar com ações conjuntas entre as várias valências: Odontopediatria e Terapia da Fala.

 

deg.jpg

 

Cárie precoce da infância

Resultado de imagem para carie de biberao
https://www.fotosantesedepois.com/o-que-causa-carie-dentaria/
 
 
A cárie dentária é uma doença crónica, infeciosa e transmissível muito prevalente em crianças. A cárie precoce da infância (CPI) vulgarmente designada por “cárie do biberão”, “cárie da amamentação” e “cárie rampante” é um tipo de cárie dentária que pode aparecer antes dos 6 anos.
Resulta da adesão de bactérias à superfície dentária que metabolizam os açúcares ingeridos para produção de ácidos, os quais ao longo do tempo levam à desmineralização da superfície dentária. É uma cárie aguda, agressiva e de evolução rápida que provoca sensibilidade (dor), chegando a causar a destruição e a perda precoce dos dentes num curto espaço de tempo.
 
Entre os principais factores, devemos destacar :
 
-Líquidos fermentáveis (dieta cariogénica) ingeridos várias vezes ao dia, entre as refeições principais e durante a noite.
-Ausência de higiene oral adequada
-Permanência por tempo prolongado de líquidos fermentáveis na boca da criança.
 
No período noturno o número e a frequência das deglutições diminuem, assim como o fluxo salivar, reduzindo também a proteção natural e limpeza que ela exerce sobre os dentes. A associação desses elementos mais o tempo longo em que a criança permanece a dormir, e o contacto prolongado dos açucares com a dentição decídua são suficientes para o enfraquecimento das superfícies dentárias.
 
Os primeiros dentes a serem afectados são os incisivos superiores decíduos, logo após a sua erupção, que ocorre geralmente entre os 12 e os 24 meses de vida.
Logo após a erupção do dente de leite, o esmalte apresenta superfícies que se encontram ainda nos estádios finais de calcificação, mineralização e incorporação de flúor. Esta hipomaturação temporária do esmalte dentário torna o dente mais susceptível à cárie imediatamente após a sua erupção.
Clinicamente, esse tipo de cárie inicia-se com manchas esbranquiçadas que, mais tarde, podem vir a formar grandes cavidades, podendo até destruir a coroa clínica.
 
Em estágios avançados, devido à falta de um diagnóstico precoce, poderão ocorrer graves disfunções a nível da mastigação, fonação, respiração e articulação, prejudicando assim o crescimento e desenvolvimento normal da criança. Para além das complicações anteriormente descritas, as crianças com CPI apresentam em adulto uma maior propensão para o desenvolvimento de cáries e de patologias do desenvolvimento dentário.
 
 

Terapias alternativas? Sim ou Não?

Muitas são as pessoas que já tiveram dores de dentes, mas nem sempre se dirigem ao médico dentista à procura de resolução para tal. Existe quem opte por soluções caseiras ou por auto-medicação, não sendo estas as opções mais indicadas em certos casos.

As queimaduras químicas são um cenário recorrente, quando existe uma auto-medicação desapropriada por parte dos pacientes. Muitos têm tendência para colocar os fármacos diretamente junto ao dente, deixando-os dissolver apenas pela ação da saliva, e lentamente, vão haver consequências a nível dos tecidos moles, desencadeando este tipo de queimaduras. Muitas das vezes estes fármacos são indicados para toma sistémica e não para aplicação tópica. O mesmo acontece quando se aplica alho no local da dor, uma terapia alternativa, que apesar de não ser um fármaco, tem um caráter ácido capaz de causar mazelas nos tecidos moles quando existe um contacto prolongado.
Quanto ao mel, conhecido pelas suas propriedades anti-inflamatórias, tem um alto teor de açúcar capaz de provocar desmineralizações nos tecidos dentários e levar às lesões cariosas se houver uma permanência prolongada na cavidade oral.

Qualquer um destes métodos serve apenas para disfarçar a sintomatologia dolorosa, não sendo, de todo, a resolução para o agende causal. Deve sempre dirigir-se ao seu médico dentista e expor a situação, de modo a ser observado e medicado apropriadamente e eliminar o foco infecioso.

 

queimadura quimica.jpg

 Queimadura quimica provocado por comprimido para as dores

Odontopediatria

odontopediatria é a área da medicina dentária que trata apenas crianças até à substituição dos dentes de leite.

 

Muitas vezes a importância da dentição de leite, decídua ou temporária é negligenciada pelos pais, pois o pensamento é que estes dentes mais tarde ou mais cedo vão ser substituídos pelos definitivos e portanto não valem a pena tratar. Ora, esta atitude não poderia estar mais errada, uma vez que, é muito importante manter a dentição de leite durante toda a infância pois esta ajuda a criar uma dentição de adulto saudável e bem posicionada, evitando intervenções mais complicadas no futuro. Outra razão é o facto da cárie ser contagiosa, ou seja, cáries nos dentes de leite passam para os dentes definitivos e como existe uma fase mista de cerca de 8 anos há muito tempo onde a contaminação pode acontecer.

 

Os focos infecciosos na dentição decídua, quando não tratados, levam invariavelmente a cenários dolorosos e quadros de infecção, que se traduzem em terapêuticas antibióticas prolongadas, desfavoráveis para o organismo da criança, isto porque o sistema imunitário destas tem uma menor capacidade de resposta às agressões.

 

Várias medidas são importantes na prevenção de lesões de cárie na primeira infância, promover a amamentação materna pelo menos até aos 4-6 meses de idade, colocar apenas leite ou água no biberão e oferecer à criança sobretudo durante o dia e nunca quando esteja a dormir. A partir do momento em que os primeiros dentinhos erupcionem não colocar líquidos açucarados no biberão ou na chupeta e promover a sua higiene com uma gaze, dedeira ou escova macia, idealmente após as refeições.

 

A primeira consulta deverá ser após os dentes de leite erupcionarem ou até a criança completar um ano de vida, de forma a alertar os pais e estabelecer um plano preventivo de saúde oral. As consultas deverão ser de 6 em 6 meses, quando existe uma boa saúde oral, caso haja um elevado risco de cárie estas deverão ser de 3 em 3 meses.

 

É importante compreender que os tratamentos dentários infantis são simples e podem realmente evitar problemas graves quando efectuados precocemente!

DSC_0687.JPG

 

PRF, uma solução biológica para obter um melhor pós-operatório.

Recentemente tem se desenvolvido aditivos cirúrgicos que permitem regular a inflamação e a cicatrização nos procedimentos de cirurgia oral. Hoje em dia privilegia-se o conforto e rápido pós-operatório cirúrgico do paciente, o que torna de extrema importância o desenvolvimento de complementos cirúrgicos que auxiliem a regulação da inflamação e aumentem a velocidade do processo de cicatrização.

A obtenção de Fibrina Rica em Plaquetas, conhecida com o nome de PRF é um concentrado plaquetário obtido pela técnica de centrifugação de sangue do paciente, sem necessidade de outros aditivos. Neste sentido, pretende-se mimetizar o processo natural de coagulação produzindo uma membrana simples e económica, essencial no processo de cicatrização.  

Este concentrado está formado por células do sistema imune e fatores de crescimento com a capacidade de regular a inflamação, de estimular o processo imunitário e, sendo um material autólogo, eliminar qualquer risco de transmissão de doenças.  

O PRF não só tem aplicações no âmbito cirúrgico, como também pode ser utilizado na área estética para preenchimento facial, substituindo a ácido hialurónico.  

A obtenção deste concentrado é simples, sendo obtido através de uma simples colheita de sangue do paciente. Após a colheita o sangue será processado numa centrifugadora em apenas uns minutos.

Assim sendo o PRF constitui uma técnica simples, minimamente invasiva, de baixo risco e resultados clínicos satisfatórios. 

DSC_4509.jpg