Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linha White

Perturbação Obsessivo-Compulsiva

“A incerteza dos acontecimentos é sempre mais difícil de suportar que o próprio acontecimento.”

Jean Massillon



 

 

A Perturbação obsessivo-compulsiva (POC) trata-se de uma das perturbações de ansiedade que provoca mais desgaste físico, emocional e intelectual.

É reconhecida actualmente como a quarta perturbação psicológica mais expressiva na sua prevalência (1 em cada 40 adultos) mas até há pouco tempo acreditava-se ser rara e antes dos anos 60 não existia tratamento eficaz. Felizmente a realidade de hoje é outra e existem já formas de intervir, que permitem uma melhoria significativa de sintomas.

 

O que é a Perturbação Obsessivo-Compulsiva?

 

Esta perturbação é caracterizada por pensamentos, impulsos ou imagens mentais desagradáveis e recorrentes (obsessões) e/ou comportamentos repetitivos e ritualizados (compulsões). As pessoas têm consciência que as suas obsessões e compulsões são irracionais ou excessivas, mas não conseguem ter controlo sobre elas. Esta consciencia cria por vezes o receio que os outros o considerem fraco ou "maluco", por isso frequentemente escondem os sintomas e evitam procurar ajuda.

O facto de estes pensamentos surgirem intrusivamente, vindos do nada e de resistirem em desaparecer, apesar dos esforços feitos nesse sentido, origina um elevado desconforto e ansiedade. Surgem, assim, as compulsões ou rituais compulsivos, isto é, a pessoa sente que tem que fazer algo para reduzir o mal-estar, que acabam por cumprir uma função de controlo de ansiedade, ainda que inadequado. Estes comportamentos são, na maior parte das vezes, comportamentos exteriores e tornam-se bastante visíveis, contrariamente às obsessões. 

 

Obsessões mais frequentes:

-       Medo da existência de germes, de contaminação e sujidade;

-       Medo de perder o controlo sobre impulsos agressivos ou violentos;

-       Sentimentos extremos de responsabilidade pela segurança de outros;

-       Preocupação exagerada pela ordem;

-       Organizaçao e simetria - necessidade de ter os objectos por uma determinada ordem; 

-       Incapacidade para deitar fora bens inuteis ou já deteriorados;

-       Pensamentos ou impulsos intrusivos e indesejados de natureza sexual;

-       Duvidas constantes;

-       Necessidade de contar;

-       Medo de certos números, cores ou palavras.

 

Compulsões mais comuns:

-       Lavagens excessivas;

-       Rituais de limpeza;

-       Acções repetitivas como tocar, contar, colocar em ordem e coleccionar;

-       Rituais de verificação (do gás, do fecho das portas, das janelas, das torneiras, etc);

-       Tocar, bater, esfregar (determinados objectos, partes do corpo, etc)

-       Contar (objectos, palavras);

-       Organizar, colocar em ordem e/ou de acordo com uma noção especifica de simetria ou organização espacial;

-       Coleccionar objectos (inúteis e não valiosos);

-       Actos do tipo supersticioso que ajudam a reduzir o medo das obsessões.

 

A pessoa pode ter um ou mais destes sintomas, os quais podem variar ao longo da perturbação.

  

Se se identifica com alguns destes sintomas não hesite em procurar ajuda psicológica ou psicoterapêutica.



Catarina de Castro Lopes

Directora Clinica do Departamento de Psicologia

1 comentário

Comentar post