Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linha White

Infecções em dentes já desvitalizados.

 

 O processo de desvitalização não seve só para a eliminação de dor dentária, tem também por objectivo desinfectar e preencher hermeticamente o interior das raízes dos dente (canais radiculares) de forma a prevenir futuras infecções.

Infelizmente,  existem alguns factores que podem comprometer o sucesso do tratamento, nomeadamente quando não se consegue preencher a totalidade do canal radicular por dificuldades anatómicas ou quando existe uma carga bacteriana altamente patogénica e difícil de debelar. Em qualquer um destes casos ocorre proliferação bacteriana que, como o dente é uma estrutura dura não têm por onde expandir e acabam por invadir o espaço ósseo circundante através do orifício apical na ponta da raíz por onde iniciamente se dava a comunicaçãoo vascular sensitiva.

 

Quando se inicia esta invasão bacteriana no osso adjacente a dente inicia-se uma resposta imunológica em que são activados os osteoclastos, que não são mais do que células defensivas que tentam eliminar o agente causal mas que também acabam por eliminar algum osso durante o processo de defesa. Este mecanismo de defesa com o tempo torna-se crónico e na maioria das vezes é assintomático.

Regra geral, estes casos são diagnosticados quando surge um episódio de dor ou então nas radiografias periódicas de controle.

 

O tratamento indicado é  refazer o tratamento de desvitalizaçãoo para corrigir qualquer defeito decorrente do primeiro tratamento reforçando ao máximo o processo de preparação  e de desinfecção do dente. Com isto pretendemos eliminar ao máximo os microorganismos que estão na origem deste quadro infeccioso e selar o interior do canal para que não volte a acontecer no futuro.

Depois de controlada a carga bacteriana no interior do canal, o sistema imunitário já conseguirá debelar o processo infeccioso que decorre fora da raíz e com o tempo acaba por formar-se novo osso, regenerando-se a zona afectada

 

 

 

Para exemplicar a situação acima descrita mostramos um caso clínico:

 

 

Fig.1 : Radiografía inicial

 

Nesta primeira radiografia conseguimos ver que existe uma situaçãoo infecciosa extensa associada a dois dentes desvitalizados. Radiograficamente distinguimos os dentes desvitalizados pelo interior branco na raíz, que corresponde ao material da desvitalização que e radiopaco.

A zona da infecção corresponde à zona escura que forma uma cincunferência que se inicia na ponta das raízes.

 

Dado isto, repetimos o tratamento de desvitalização (retratamento endodôntico) apostando na sua preparação e desinfecção para uma noma obturação (preenchimento) de forma a travar o processo infeccioso.

 

 

 

Fig 2: radiografia final do retratamento endodôntico.

 

Nesta segunda radiografia conseguimos observar o novo tratamento de desvitalização e em que continuamos a ver a imagem escura à volta das raízes correspondente à infecção. A partir deste momento recomenda-se que o paciente faça radiografias de controle para se ver a evolução da lesão e a regeneração do osso.

 

 

                                  

 

Fig.3:Rx de controle aos 6 meses                                 Fig.4:  Rx de controle a 1 ano

 

Nestas últimas radiografias ( Fig 3 e 4)podemos ver  a regeneração da lesão, notando-se nesta última que já quase não existe nenhuma circunferência escura à volta das raízes. Com o decorrer do tempo deverá desaparecer na totalidade.

 

Em alguns casos mais extremos, em que a perda é mais acentuada pode haver necessidade de se proceder a uma cirurgia apical (apicectomia) para correcção da zona com enxerto ósseo.   

 

 

 

Dr. Carlos Morais

(Departamento de Endodontia White Clinic)

 

4 comentários

Comentar post