Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linha White

Escova manual ou Escova elétrica?

Durante as consultas de higiene oral, muitas pacientes apresentam dúvidas em relação ao melhor tipo de escova dentária a usar.

Não existe nenhuma regra que indique que todas as pessoas devem usar certo tipo de escova. Cada pessoa tem diferentes necessidades de higiene oral, e o aconselhamento e as recomendações dos produtos a usar em ambulatório devem ser personalizados para cada paciente.

Existem inúmeros estudos comparativos entre a escova elétrica e a escova manual, onde comparam os níveis de placa bacteriana, inflamação gengival e hemorragia, sendo as conclusões unânimes: A escova elétrica é mais eficaz na remoção dos depósitos dentários e manutenção gengival, do que a escova manual.

Existem pacientes onde a saúde oral é exemplar, mesmo com recurso a escovas manuais. Nestes casos, não existe necessidade por parte do paciente para mudar os produtos que usa, nem os seus hábitos e métodos de manutenção da saúde oral, uma vez que o que está a usar está a ser eficaz.

Hoje em dia já existem escovas elétricas no mercado com acessórios importantes para garantir uma rotina de escovagem mais eficaz. Entre eles, são de destacar as escovas com temporizador de dois minutos, que é o tempo de escovagem mínimo recomendado pelos profissionais de saúde, e o regulador de força visual ou tátil, permitindo a correta manutenção dos tecidos moles.

É de relembrar que em ambas as escovas, manual ou elétrica, devem ser usadas com método, com recurso a uma escovagem sulcular e abrangendo todas as superfícies dentárias.

Para melhor aconselhamento, dirija-se ao seu Higienista oral/Médico dentista de modo a ser avaliado o seu nível de saúde oral e recomendado o que melhor se adeque à sua situação.  

escova eletrica bom.jpg

Imagem 1-Exemplo de escova elétrica

escova manual bom.png

Imagem 2-Exemplo de escova manual

 

 

Má saúde & outras doenças

É comum estarmos informados sobre as doenças e problemas que afetam a nossa boca como a cárie dentária, periodontite, gengivite e abcessos, que surgem muitas vezes devido a uma má higiene oral, o que normalmente não sabemos é que uma má saúde oral também pode afetar outras doenças no nosso corpo. 

 

Diabetes

As doenças das gengivas (gengivite e periodontite) podem ser uma complicação clinica da diabetes. Isto acontece porque as pessoas diabéticas estão mais suscetíveis às infeções bacterianas, e têm uma capacidade menor em combater as bactérias. 

Para além disto estas doenças orais podem afetar o controlo glicémico no sangue e contribuir para a progressão da doença. têm também sido realizados estudos que confirmam a ligação entre estas inflamações e a diminuição da capacidade do organismo usar, de forma eficaz, a insulina produzida pelo pâncreas.

 

Doenças cardiovasculares

As bactérias envolvidas nas doenças das gengiva e cáries podem entrar na corrente sanguínea. Tanto a endocardite, inflamação que ataca as válvulas cardíacas e o tecido que reveste o coração como a aterosclerose, que endurece, entope e danifica as artérias, podem ser provocadas por estas batérias. Significa isto que as pessoas com estas doenças orais estão em maior risco de sofrer de ataque cardíaco ou AVC.

 
Nascimentos prematuros: 

Estudos recentes associam as doenças das gengivas a partos prematuros e ao nascimento de bebés com baixo peso (menos de 2500g), ter um parto prematuro, ou sofrer de pré-eclampsia durante a gravidez. Além disso, foram encontrados vestígios das bactérias presentes na boca da mãe no cordão umbilical. 

Durante a gravidez, as mudanças hormonais podem fazer com que as gengivas sangrem e doam mais. Por isso, uma boa higiene oral é especialmente importante nesta fase

 

Artrite reumatóide

Um estudo de 2012 sugeriu que as bactérias orais podem contribuir para alguns casos de osteoartrite nos joelhos e artrite reumatoide. Os investigadores da Case Western Reserve University analisaram o líquido sinovial, que se encontra nas cavidades articulares e nos tendões, de 36 pessoas com osteoartrite nos joelhos. Cinco dos pacientes tinham bactérias das gengivas nos líquidos sinoviais. Para dois dos pacientes, a bactéria encontrada no líquido era geneticamente compatível com as bactérias encontradas na boca. Segundo os investigadores, tudo indica que esta bactéria pode agravar a artrite.

 

Cancro

Vários estudos já provaram que as bactérias que estão presentes na periodontite afetam também o desenvolvimento de cancro oral e outros tipos de cancro. Para além disso os doentes oncológicos experienciam mais complicações orais

Fotobioestimulação celular: Um método minimamente invasivo para a aceleração do tratamento ortodôntico

A maior preocupação para a maioria dos pacientes em tratamento ortodôntico é melhorar sua estética dentária e facial, pondo de parte os benefícios que pode proporcionar o tratamento na nossa saúde oral, sendo vistas como preocupações secundárias. No entanto, assim como outras intervenções, o tratamento ortodôntico com aparelhos fixos também apresenta algumas complicações e riscos inerentes.

Esses resultados indesejáveis do tratamento são devidos à força excessiva exercida sobre o dente, a fim de obter movimento ou devido à dificuldade que o paciente tem em realizar uma boa higiene oral, acumulando placa ao redor dos brackets e produzindo manchas à volta dos dentes. E estes efeitos adversos do tratamento normalmente são proporcionais à duração do tratamento ortodôntico. 

Hoje em dia a duração do tratamento ortodôntico com brackets fixos é em média de 2 a 3 anos.

Acelerar o movimento ortodôntico de forma a que o tratamento seja feito no menor tempo possível continua a ser um dos temas de principal interesse tanto para o paciente como para o médico dentista.

Existem duas abordagens para reduzir o tempo do tratamento ortodôntico:

-Planificar a mecânica do tratamento de uma forma mais eficiente, colocando brackets autoligávies, planeando o tratamento e a sequencia de arcos digitalmente e através do uso de microimplantes. 

-Uma segunda abordagem passa por acelerar a velocidade do tratamento ortodôntico potenciando o processo de remodelação óssea, usando substancias bioquímicas, estimulando de forma mecânica e física do osso alveolar e intervenções cirúrgicas para acelerar o movimento ortodôntico. 

 

Estes últimos procedimentos são bastante invasivos, podendo causar dor e danificar os tecidos periodontais.

 

Hoje em dia existem métodos que são eficazes na aceleração do movimento dentário, e que são bem aceiteis pelo paciente devido aos mínimos efeitos adversos e ao baixo custo que envolve este tratamento acelerador. Este tratamento acelerador consiste na aplicação de uma terapia baseada na fotobioestimulação celular, conhecida como Low Level Laser/Led Therapy (LLLT), que atua na remodelação óssea e potencia o movimento ortodôntico. Um dos lasers que funciona à base da fotobioestimulação é o ATP38. 

Screen Shot 2018-10-15 at 16.17.05.png

 

 

Aplicação de Bandas Neuromusculares nos Músculos Faciais

A Banda Neuromuscular é uma banda elástica, de algodão, que auxilia a funcionalidade muscular sem limitar amplitudes ou movimentos na zona onde é aplicada.

É constituída por uma cola hipoalergénica com elasticidade até 140%, ou seja, igual a elasticidade da pele e a sua aplicação pode durar entre 3 a 4 dias.

 

A aplicação da BNM tem como principais objetivos:

  • Promoção de estímulos mecânicos duradouras e constantes na pele;
  • Manter a comunicação com os tecidos mais profundos através do mecanorrecetores encontrados na pele. Os mecanorrecetores cutâneos dão ao sistema articular elementar a habilidade para detetar estímulos aplicados na pele sobre grandes e pequenas áreas com duração curta ou contínua.
  • Ativar e promover a melhoria da circulação sanguínea e linfática;
  • Reeducar o sistema neuromuscular;
  • Reduzir analgesia;
  • Otimizar desempenho muscular;
  • Prevenir lesões;

 

Como todas as técnicas, esta também apresenta algumas contraindicações, tais como:

  • Aplicação de feridas abertas;
  • Casos oncológicos;
  • Problemas dermatológicos;
  • Exposição direta solar ou a altas temperaturas;
  • Trombos sanguíneos;

 

 

Aplicação da BNM em Terapia da Fala

A Terapia da Fala não é uma profissão de saúde que reabilita apenas patologias da comunicação, abrange ainda a prevenção, a avaliação e a intervenção em toda a comunicação humana e nas suas perturbações (voz, fala, linguagem oral e escrita), bem como nas alterações referentes às funções estomatognáticas (respiração, fala, mastigação, deglutição e sucção).

O Terapeuta da Fala, intervém ao nível das funções estomatognáticas, nomeadamente ao nível dos músculos faciais. Desta forma, a aplicação da BNM pode otimizar os objetivos da intervenção permitindo um maior equilíbrio do funcionamento muscular. Contudo, é importante referir que, os desequilíbrios referentes à motricidade oro-facial não vão resolver-se apenas com a aplicação exclusiva da BNM, mas sim, com técnicas especificas de mioterapia aplicadas pelo Terapeuta da Fala.

 

 

vnm.jpg

 

 

 

Cromoterapia - mycoocoon

A cromoterapia, uma prática da pseudociência, é um método de tratamento que utiliza o espectro visível (cores) da radiação eletromagnética para curar doenças. É um conceito centenário - utilizado no Egito antigo, Índia, Grécia e China - usado com sucesso ao longo dos anos para fins terapeuticos e harmonizar o corpo. Para Hipócrates, saúde e doença dependem do grau de harmonia na interação entre meio ambiente, corpo e mente.

 

Os adeptos da cromoterapia entendem que cada cor possui uma vibração específica e uma capacidade terapêutica. O cientista alemão Johann Wolfgang von Goethe, no século XVIII, pesquisou durante cerca de quarenta anos as cores e descobriu que o vermelho tem propriedade estimulante no organismo, o azul calmantes, o amarelo provoca sensações de alegria e o verde é repousante. Esses efeitos são mais ou menos intensos, dependendo da tonalidade usada.

 

Em 2010, pesquisadores do Centro de Pesquisas Cyclotron, em Genebra, investigaram o efeito imediato da luz, e de sua composição de cores, no processamento cerebral emocional usando imagens de ressonância magnética funcional.

Na década de 1990, a pesquisa de LED mostrou que os comprimentos de onda próximos ao infravermelho aumentam a atividade das mitocôndrias.

A Nasa vai testar as luzes que mudam de cor na Estação Espacial Internacional (ISS) como parte dos esforços para ajudar os astronautas a dormir, o que ajuda a combater a insônia com a luz azul.

 

O mycoocoon, uma técnica de cromoterapia recentemente introduzida na White Clinic, foi projetado para ajudar a restaurar os elementos naturais da cor de volta à sua vida diária. Integra a natureza e seus efeitos benéficos no estilo de vida urbano. Nesta terapia cada cor tem o seu próprio papel, juntando-se para criar um momento de relaxamento, com sons para realçar a sua experiência. A energia transmitida pelas cores permite o alcance de uma perfeita harmonia entre si e o seu ambiente. O mycoocoon tem várias utilizações tais como:

Relaxamento + Equilíbrio + Energia + Meditação + Jet Lag + Power Nap + Reduzir estresse + Doenças sazonais + Limpeza + Bem-estar + Harmonia + Renovação + Restful

 

 

chromo.jpg

 

 

HILOTHERM – O seu melhor aliado no pós-operatório

O Hilotherm é um dispositivo térmico que se apresenta em várias formas, sendo que em medicina dentária se aplica na forma de uma máscara facial. Este dispositivo tem por base a hiloterapia que consiste na aplicação de frio de forma localizada em zonas intervencionadas ou que se apresentam, de alguma forma, danificadas. Esta terapia afeta de forma positiva a disponibilidade de oxigénio necessária em tecidos em recuperação, o metabolismo, o fluxo sanguíneo e os recetores de dor dos tecidos afetados. Em suma, permite otimizar/acelerar a cicatrização e, ainda, aliviar a dor.

Na White Clinic aplicamos esta terapia aos nossos pacientes após cada cirurgia. A máscara é colocada na face do paciente durante 15 minutos a 18 graus de temperatura. Para além do conforto associado, e alívio imediato referido pelos pacientes, esta terapia também permite diminuir a necessidade de analgésicos durante a fase pós-operatória. Ao combater o inchaço, o aparecimento de hematomas, edemas e inflamação, bem como pela ativação da drenagem linfática que permite eliminar substâncias nocivas, esta terapia assume-se como um aliado de excelência na regeneração dos tecidos e recuperação pós-cirúrgica.

 

home-homecare-kreis.png 

1.png

 

 

Tecnologia de ponta no departamento de Higiene Oral

Na White Clinic, o departamento de Higiene Oral oferece uma consulta de  uma hora, com a remoção de depósitos dentários em profundidade e com rigor.
Mas este não pode ser um processo doloroso para o paciente, e desta forma, a White Clinic investe em tecnologia de ponta de forma a tornar estas consultas mais confortáveis.
A nova tecnologia da EMS, marca que trabalha em parceria com a White Clinic a vários anos, está disponível no departamento de Higiene Oral, apresentando múltiplas vantagens no decorrer destas consultas. Destaca-se o uso de água quente, excelente para pacientes que apresentam sensibilidade dentária. Durante toda a consulta podemos usufruir deste upgrade, tanto no jato de pó, como no destartatizador.
O jato de pó também apresenta melhorias significativas, permitindo substituir o uso do bicarbonato de sódio por um pó de Glicina ou Erythritol, que têm um poder de abrasividade menor e um sabor muito mais agradável, permitindo remover os depósitos moles e a mancha dentária com a mesma eficácia (em casos de mancha pouco severa) e higienizar os tecidos moles sem o perigo de trauma.
O destartarizador apresenta um rigor maximizado, facilitando a remoção dos depósitos duros com muito mais facilidade e sem uma vibração possível de causar grande desconforto.
Todos estes passos são realizados com água quente, se assim o paciente o desejar.
Para a existência de trabalhos mais complexos em boca, como é o caso de implantes e coroas dentárias, próteses ou até mesmo em pacientes com comprometimento periodontal, existem ferramentas especificas que nos permitem higienizar todas estas superfícies sem causar danos a estas estruturas.

 

Na White Clinic, o conforto do paciente e o rigor clínico são a nossa prioridade.

 

ems.png

 

O que é a cavitação osteonecrótica (NICO)?

As cavitações osteonecróticas são lesões cavitárias, presentes na mandíbula e/ou maxila. Pode se originar a partir de um trauma como extração dentária, onde se desconsiderou a remoção total do ligamento periodontal; tratamento endodôntico; ou até mesmo de um processo infecioso.

 

O termo mais usado, hoje em dia, nos casos dos ossos maxilares, é neuralgia induzida por cavitação osteonecrótica (NICO), mas esse nome é geralmente reservado para aqueles casos associados à dor facial ou maxilomandibular crônica. Para aqueles sem dor, o termo mais genérico é a osteonecrose maxilofacial (OMA).

 

A cavitação osteonecrótica pode ocorrer em pacientes jovens, por volta dos 18 anos de idade, mas também em faixas etárias superiores, ou seja, dos 40 aos 60 anos, preferencialmente, em mulheres. O diagnóstico geralmente envolve um exame clínico e o emprego de radiografias.

 

O tratamento dessas lesões pode ser cirúrgico, promovendo o sangramento local através de osteotomia, ou osteotomia, dependendo do grau e extensão da cavitação osteonecrótica.

 

Os médicos dentistas não são treinados nem para diagnosticar estas lesões, nem para realizar os devidos tratamentos cirúrgicos. Aqui na White Clinic, temos uma equipa medica competente, especializada, apta a realizar estes tratamentos da melhor forma de maneira a proporcionar o melhor resultado possível.

 

 

Imagem de um corte da mandibula humana, onde podemos ver a localização da lesão (parte mais escurecida). 

 

Resultado de imagem para nico osteonecrosis

O que é o Sigmatismo?

O sigmatismo é uma alteração do desempenho articulatório caracterizado pela distorção dos sons fricativos /s/, /z/, /x/ e /j/.

Esta perturbação articulatória, está muitas das vezes, associada a alterações dos órgãos fonoarticulatórios, dentários ou craniofaciais que podem ter origem orgânica, funcional ou orgânico-funcional (exemplo: uso abusivo de chupeta, respiração oral, alterações das arcadas dentárias, entre outras).

Desta forma, o sigmatismo, vulgarmente conhecido por “sopinha de massa” é causado pela alteração da língua dentro da cavidade oral, quando produção dos fonemas suprarreferidos.

Existem quatro tipos de sigmatismo:

  • Sigmatismo interdental – colocação da língua entre os dois dentes incisivos frontais.
  • Sigmatismo anterior – colocação da língua nos dois dentes frontais (som /s/ assobiado).
  • Sigmatismo lateral – o ar escapa pelas laterais da língua, fazendo produção do som com estridência.
  • Sigmatismo palatal – colocação da lingua no palato mole durante a articulação.

 

A reabilitação miofuncional oral é fulcral neste tipo de perturbação articulatória para reeducação do posicionamento lingual no sistema estomatognático.

Quando existem este tipo de alterações é importante a criança ser avaliada por uma equipa constituída por: Médico Dentista, Médico Otorrinolaringologista e Terapeuta da Fala. Só um trabalho em equipa poderá fazer a diferença neste tipo de casos.

 

Função dos dentes na mastigação

Num jogo de xadrez, cada peça posicionada no tabuleiro tem uma função específica. O mesmo acontece com a nossa dentição, em que cada peça dentária tem um papel essencial e uma posição estratégica. Juntamente com os músculos faciais e da mandibula, os dentes tem a função de triturar os alimentos no processo da mastigação, sendo que a sua eficácia depende do padrão em que o alimento e quebrado e da área de contacto entre os dentes.

A mastigação é feita inicialmente pelos dentes incisivos (4 dentes da linha antero-superior e antero-inferior) e caninos, que cortam e “rasgam” os alimentos, passando para os pré-molares que trituram a comida, transformando o bolo alimentar em partes menores e por fim os molares (dentes posteriores), onde os alimentos são pulverizados, isto é, transformados em elementos muito reduzidos e é durante estas etapas do ciclo mastigatório que ocorre a secreção salivar que auxilia na formação e deglutição do bolo alimentar. É importante ter em conta que os dentes incisivos não devem ser utilizados para mastigar os alimentos, sendo essa a maior causa de desgaste e fraturas ao longo dos anos. Os dentes caninos servem para guiar os movimentos da mandíbula durante a mastigação, daí a sua presença e posição nas arcadas dentarias serem primordiais. A sua ausência ou má posição provoca uma sobrecarga na restante dentição.

As dificuldades da mastigação fazem com que as pessoas comam alimentos mais pastosos e de maneira muito rápida, diminuindo o contato com enzimas digestivas salivares, e ainda interferindo na saciedade, uma vez que esta começa cerca de 20 minutos após o início da alimentação.

Por outras palavras, é importante salientar que o nosso sistema digestivo começa pela boca, e que sem a presença de todos os dentes na arcada o organismo pode passar por grandes problemas, sendo primordial a substituição de peças dentárias ausentes com implantes ou próteses removíveis, manter uma boa higiene oral diária e evitar ingerir abundantemente alimentos ácidos e açucarados que possam prejudicar os dentes. 

 

14666126_1791443637794073_7592579782935693180_n.jp

Fonte: https://www.google.com/search?q=qual+%C3%A9+a+funcao+dos+dentes+na+mastigacao&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwiLjpfJgoDcAhWMvxQKHbayDLAQ_AUICigB&biw=1920&bih=898#imgrc=SaxMz64eErq4xM: