Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Linha White

Disfunção temporo-mandibular

Boa Tarde, se fosse possível gostaria de saber quais as causas de uma disfunção Têmporo-mandibular, há cerca de um ano tive de arrancar um dente molar (que antes de ser arrancado foi desvitalizado pois teve uma grande infecção) e a partir daí comecei a ter dores de ouvido constantes, estalos durante a mastigação, e dor em certas regiões da cara e pescoço.

Será que é da ausência do dente? E se for o que poderei fazer? Obrigada.

 

Elisabete Mendes

 


Boa tarde Elisabete,

a etiologia das disfunções têmporo-mandibulares (DTM) é complexa e na maioria dos casos de diagnóstico complicado. É muito difícil  isolar um factor etiológico específico, pelo que a teoria multifactorial parece ser a mais correcta e aceite pela classe médica em geral. Sendo assim, as principais causas de DTM estão associadas tanto a trauma oclusal agudo (ex: pancada forte na região do queixo ou da face) como crónico (ex: sobrecargas nas articulações ou músculos da mastigação, com baixa intensidade por um período de tempo longo). Do mesmo modo, a forma como os dentes inferiores ocluem com os superiores (oclusão dentária) também pode dar origem às DTM, sendo que esta oclusão que referimos pode ser alterada por ausências, apinhamento e/ ou rotações dentárias.

Actualmente considera-se que a oclusão dentária possa não ser o factor etiológico clinicamente mais relevante. Contudo, existem algumas características de má oclusão que podem predispor a sinais e sintomas de DTM. Os três pontos cardeais das DTM são então a dor orofacial, ruídos articulares e restrição da função mandibular.

No seu caso específico refere que começou a sentir dores de ouvidos, da face e estalidos articulares durante a mastigação após a extracção de um dente molar. Necessitaríamos de maior número de dados clínicos para podermos diagnosticar uma relação causa-efeito entre a extracção e o inicio dos sintomas. Sabemos, contudo, que a ausência de cinco ou mais dentes posteriores, que vão a pouco e pouco sendo extraídos sem serem repostos proteticamente, pode aumentar a instabilidade mandibular devido à falta de contactos dentários suficientes e desencadear por isso o início de DTM.

Se de facto existir uma relação causa-efeito entre o molar extraido e o inicio dos sintomas a que se refere, a solução deverá passar pela reabilitação protética do espaço edêntulo, recuperando não só a estabilidade como a função perdidas.


Cumprimentos.

Atentamente,
Equipa White, da Clínica Dentária da Lapa