Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linha White

EMDR - Terapia Rápida e Eficaz

A terapia que permite que o cérebro “digira” uma experiencia perturbadora

 

O que é o EMDR?

O EMDR (Eye Movement Dessensitization and Reprocessing) é uma abordagem terapeutica integrativa de processamento de informação que é feita através da estimulação bilateral do cérebro e que promove a comunicação entre os 2 hemisférios cerebrais, associando emoçoes, sensaçoes corporais, cogniçoes e pensamentos.

Uma grande variedade de perturbações é causada por memórias de acontecimentos perturbadores que se encontram fisiologicamente alojadas no cérebro de modo disfuncional. Estas memorias "mal arrumadas" podem causar sofrimento no presente. Este metodo terapêutico ajuda a desbloquear o sistema nervoso e permite que o cérebro processe experiencias perturbadoras. É semelhante ao que se passa  quando sonhamos - na fase REM (Rapid Eye Movement) do sono, durante a qual os movimentos oculares rápidos facilitam o processamento do material inconsciente.

 

Como funciona?

O EMDR ajuda o organismo a integrar construtivamente determinadas memorias, como se convidasse o cérebro a aproveitar a oportunidade de fazer aquilo que sempre faz mas que, por algum motivo, falhou. A informação relevante da memoria é trazida à consciência, de modo a poder ser armazenada de forma adaptativa e adequada.

O paciente concentra-se numa memoria (imagem ou sensação) relacionada com o acontecimento perturbador ou traumático e é associada estimulação bilateral alternada – que consiste em movimentos oculares laterais alternados, com determinado ritmo e duração, habitualmente guiados pela mão do terapeuta ou através do uso de um aparelho para o mesmo efeito, sons alternados, ou toques (tapping) nas mãos ou joelhos. Durante a fase de processamento, o paciente pode distanciar-se do material associado à memoria, deixando fluir o processo e adoptando o papel de observador.

 

Para que casos está indicado?

Este método terapêutico foi desenvolvido por Francine Shapiro, psicóloga americana, com o intuito de tratar os sintomas resultantes da exposição a experiencias traumáticas. Actualmente é também usado para controlo e impulsos, intervenção na dor e para fornecer competências úteis para enfrentar determinadas situações. É, ainda, uma terapia indicada para o tratamento de ansiedade, fobias, perturbações alimentares, perturbações do sono e processos de luto.

 

Existe algum tipo de contra-indicações?

A intervenção é contra-indicada em pacientes com quadros psicóticos ou esquizofrenia, grávidas e pessoas com ideacção suicida. Na Perturbação bipolar, borderline ou outras perturbações da personalidade a terapia so deve ser usada apos a estabilizaçao de aspectos emocionais criticos.

 

Qual a duração da Terapia?

O numero de sessões varia e depende do protocolo utilizado, que deve ser adaptado a cada paciente. A terapia EMDR só termina quando a perturbação face ao acontecimento passado for nula. Não é habitual esta terapia demorar mais do que 6 sessões, tendo cada uma a duração de 60 ou 90 minutos, consoante as necessidades do paciente.

 

É eficaz?

O EMDR tem sido alvo de inúmeros estudos que o comparam com outras terapias no tratamento de várias perturbações, concluindo que esta abordagem pode ser considerada mais eficaz e obter resultados terapêuticos num menor espaço de tempo.

 

 

Catarina de Castro Lopes

Directora Clínica de Psicologia na White

Perturbações do Comportamento Alimentar

Diz-se frequentemente que as Perturbações do Comportamento Alimentar são “doenças da moda”, ou que são próprias de quem tem “a mania das magrezas”. Estas falsas crenças não passam de mero desconhecimento em relação a estas doenças. Na realidade são perturbações mentais que provocam grande sofrimento a quem por elas passa estendendo-se às suas famílias, trazendo graves consequências físicas e psicológicas podendo pôr em risco a própria vida. Este desconhecimento leva a que familiares e amigos, por vezes, não as detectem atempadamente e só se apercebam da existência da doença quando esta já se encontra num estado avançado. O Doente, apesar de reconhecer a necessidade de tratamento, recusa aceitar a gravidade da situação e opõe-se a aumentar de peso e mudar comportamentos, não sentindo a sua vida ameaçada.

Estas doenças ocorrem predominantemente em mulheres jovens e caracterizam-se por uma preocupação excessiva com o peso e imagem corporal que são a principal fonte de auto-estima. A etiologia é multifactorial (resulta da interacção entre factores biológicos, psicológicos, familiares e socioculturais) pelo que devem ser entendidas e abordadas numa perspectiva multidimensional valorizando-se o contexto biopsicossocial (biológico, psicológico e social) do individuo de modo a assegurar o êxito do tratamento.

É importante que não se confundam hábitos alimentares desadequados (preocupações com peso e alimentação restringida) com Perturbações de Comportamento Alimentar. Enquanto um padrão de uma alimentação desadequada é uma reacção habitual a situações de vida, uma Perturbação Alimentar é uma doença mental. Além disso, os hábitos alimentares desadequados não são habitualmente acompanhados por pensamentos frequentes de comida, alimentação e aparência física. Pessoas com Perturbações Alimentares, têm pensamentos compulsivos sobre comida, alimentação e com o seu próprio corpo. Estes pensamentos passam a controlar as suas vidas estando presentes no seu funcionamento diário. Enquanto as alimentações desordenadas ou hábitos alimentares desadequados, podem conduzir a mudanças de peso transitórias e problemas nutricionais, grandes complicações médicas são muito raras, ao contrário do que acontece nas Perturbações Alimentares,  que habitualmente levam a sérios problemas de saúde, com uma taxa de mortalidade de 2 a 10%. Finalmente, cada condição é tratada diferenciadamente. A alimentação desadequada requer educação e o problema poderá diminuir sem tratamento. As Perturbações Alimentares, requerem tratamento médico e de saúde mental específicos, na maioria dos casos prolongados, sem os quais o problema persistirá.

 

 

Anorexia Nervosa

 

A Anorexia Nervosa não é uma doença moderna, no sentido de ser uma síndroma que tenha surgido na época contemporânea, acontece que, quanto mais se investiga o passado, mais se descobre a presença desta perturbação ao longo dos séculos, apesar de alguns aspectos de que hoje se reveste e a situação em que se enquadra serem novos e representativos da cultura actual.

A palavra Anorexia deriva do grego e significa “falta de apetite”. É consensual que já no século XII se podiam encontrar alguns dos traços característicos do que hoje é descrito como Anorexia Nervosa do Tipo Restritivo apesar das descrições clínicas aparecerem mais tarde. Era frequente encontrar Anorexia entre as mulheres religiosas que eram canonizadas devido às suas práticas de jejum.

Esta doença afecta sobretudo, jovens adolescentes do sexo feminino, mas, pode ocorrer em pessoas de ambos os sexos e das mais variadas idades, surgindo de um modo geral, em adolescentes com idades compreendidas entre os 13 e os 18 anos, ocorrendo o seu desenvolvimento em média por volta dos 17 anos e raramente depois dos 40, variando muito a sua evolução. Estudos apontam para uma prevalência de cerca de 0,5% na população feminina e de cerca de um décimo da das mulheres, na população masculina. Dados referentes a pessoas internadas revelam que a mortalidade a longo termo é de cerca de 10% e que a morte pode surgir por inanição, alterações hidro-electrolíticas e suicídio, sendo uma das doenças psiquiátricas que apresenta a taxa de mortalidade mais elevada.

Na Anorexia Nervosa existe uma recusa em manter um peso corporal igual ou superior ao minimamente normal para a idade e altura (por exemplo, perda de peso que leva a manter um peso inferior a 85% do esperado ou a incapacidade em ganhar o peso esperado para o crescimento, ficando aquém do previsto). Esta recusa deve-se a um medo intenso de ganhar peso ou de engordar, mesmo quando o peso é insuficiente. Existe uma perturbação na apreciação do peso e forma corporal, indevida influência do peso e forma corporal na auto-avaliação, ou negação da gravidade do grande emagrecimento actual. Esta doença tem como critério de diagnostico a amenorreia - ausência de pelo menos 3 ciclos menstruais consecutivos. Pode ser do Tipo Restritivo, em que a pessoa não recorre regularmente a ingestão compulsiva de alimentos nem a purgantes (por exemplo, vómito ou abuso de laxantes, diúreticos e enemas), ou do Tipo Ingestão Compulsiva/ Tipo Purgativo em que a pessoa tem comportamentos bulímicos ou purgativos (vómitos ou abuso de laxantes, diuréticos e enemas) e aumento ou excesso de exercício físico.

Os sintomas de Anorexia Nervosa mais comuns são dores de cabeça, ansiedade, irritabilidade, perturbações do sono (mais frequentemente a insónia), fadiga, dores abdominais, diminuição do interesse sexual, obstipação, intolerância ao frio, letargia e excesso de energia, amenorreia, depressão e alterações da personalidade, destacando-se como consequências físicas a inanição, bradicárdia, pressão arterial fraca, défice de estrogénio, baixa temperatura corporal (especialmente nas extremidades), pele seca, cabelo quebradiço e queda de cabelo, unhas quebradiças e pele com um tom amarelado (especialmente as palmas das mãos), podendo algumas pessoas desenvolver lanugo (fina penugem no tronco). Ainda o desenvolvimento da anemia normocítica, função renal diminuída, problemas cardiovasculares, problemas dentários e osteoporose.

             

 

Bulimia Nervosa

 

A palavra Bulimia deriva dos termos gregos bous, que significa boi e limos que significa fome, que usados conjuntamente descreviam uma fome de alguém que era capaz de comer um boi. No latim medieval fala-se de bulismos ou bolismus, que no francês medieval se dizia bolisme, significando um apetite insaciável.

No tempo de César (700 A.C.), os comportamentos bulímicos estavam amplamente difundidos o que pode ser demonstrado pela presença de vomitórios nas salas de banquete das casas mais abastadas que serviam para os patrícios esvaziarem os estômagos e continuarem a comer. Na época romana imperial, o comportamento bulímico seria provavelmente normativo dentro de uma camada social com maior acesso à riqueza e os episódios de “empanturramento” e indução do vómito constituiriam uma norma cultural específica, no entanto, este comportamento não estaria associado à preocupação com a imagem corporal nem ao medo de engordar.

Apesar de a Bulimia e Anorexia Nervosa não serem  doenças modernas a Bulimia está mais relacionada com a Sociedade Ocidental dos nossos dias, pois os Doentes com esta Perturbação do Comportamento Alimentar são o elo mais frágil, uma vez que os meios de comunicação de massas por um lado apelam ao consumo alimentar hiper-calórico, por outro ao culto do corpo magro.

É uma doença mais silenciosa do que a Anorexia Nervosa uma vez que não está associada a grandes perdas nem a aumentos de peso, podendo passar despercebida a familiares e amigos. O facto de estes indivíduos parecerem estar de plena saúde dificulta a sua identificação.

A Bulimia Nervosa inicia-se habitualmente mais tarde do que a Anorexia Nervosa surgindo geralmente no final da adolescência ou no inicio da idade adulta, tendo uma prevalência entre 1 a 2% nas mulheres com idades compreendidas entre os 16 e os 40 anos. Esta doença caracteriza-se pela existência de episódios recorrentes de ingestão alimentar compulsiva, caracterizados por comer num período curto de tempo uma quantidade de alimentos que é definitivamente superior à que a maioria das pessoas comeria num período de tempo semelhante e nas mesmas circunstâncias. Verifica-se uma tendência para ingestão de comida altamente calórica, de pouca qualidade alimentar, como doces, bolachas e batatas fritas. Rapidamente surge a sensação de perda de controlo sobre o acto de comer durante o episódio (por exemplo, sentimento de incapacidade para parar de comer ou controlar a quantidade e qualidade dos alimentos), surgem sentimentos de culpa, de ineficácia, de baixa auto-estima e angustia. Estes episódios são habitualmente praticados às escondidas, sendo frequente estas pessoas levarem a comida para locais seguros onde sabem que não irão ser descobertas (por exemplo para o quarto). Para libertar o que foi ingerido durante o episódio verifica-se um comportamento compensatório inapropriado recorrente para impedir o ganho ponderal, tal como vomitar, usar laxantes, diuréticos, enemas ou outros medicamentos, fazer jejum ou exercício físico excessivo, ocorrendo estes comportamentos, em média, pelo menos duas vezes por semana, em três meses consecutivos. A auto-avaliação é indevidamente influenciada pelo peso e forma corporais e não ocorre exclusivamente durante os episódios de Anorexia Nervosa.

Contrariamente ao que muitas pessoas possam pensar, a Bulimia Nervosa não envolve sempre o vomito auto-provocado depois da ingestão alimentar compulsiva. Entre 80 a 90% destes indivíduos recorrem à indução do vomito como mecanismo compensatório e um terço usa laxantes. Existe o Tipo Purgativo em que a pessoa realmente induz regularmente o vómito ou abusa de laxantes, diuréticos ou enemas, e o Tipo Não Purgativo em que a pessoa usa outros comportamentos compensatórios inapropriados, tais como jejum ou exercício físico excessivo, mas não induz o vómito nem abusa de laxantes, diuréticos e enemas.

Os sintomas de Bulimia Nervosa mais comuns são dores de cabeça, fadiga, dores abdominais, vómitos recorrentes, azia, obstipação intestinal e ciclos menstruais irregulares. Como sintomas psicológicos, a depressão, alterações do humor, obsessão por dietas, pensamentos frequentes acerca de comida, pensamentos de culpa depois de comer, auto-estima determinada pelo peso, isolamento social (evitam restaurantes, refeições familiares, encontros sociais), destacando-se alguns sinais físicos como a erosão do esmalte dentário, cáries dentárias, inchaço das glândulas parótidas e escaras na superfície das mãos devido à indução do vómito.

 

 

Perturbação da Ingestão Alimentar Compulsiva – Binge Eating

 

A Perturbação da Ingestão Alimentar Compulsiva ou Binge Eating é das perturbações alimentares a que tem a descrição mais recente e, segundo alguns estudos a que apresenta a maior prevalência não só entre os doentes com perturbações do comportamento alimentar (30%) como na população geral (4,6%).

Os indivíduos com perturbação de ingestão alimentar compulsiva são geralmente adultos e frequentemente recorrem a tratamento para a obesidade. Ao contrário do que é mais comum na Anorexia e Bulimia Nervosa, esta doença também afecta os homens, sendo a perturbação alimentar que regista menos diferença entre os sexos.

Este distúrbio do comportamento alimentar é caracterizado pela ingestão descontrolada de comida e consequente aumento de peso. Tal como na Bulimia Nervosa existem episódios frequentes de ingestão alimentar compulsiva que tendem a ser desencadeados devido a alterações de humor, tensões emocionais ou problemas do dia-a-dia, funcionando esta ingestão de comida como um ansiolítico que tem como função a estabilização emocional mas, contrariamente à Bulimia Nervosa, os pacientes com esta perturbação não utilizam métodos de compensação (purga, abuso laxantes, jejum ou o exercício físico excessivo) nem exibem regras rígidas de dieta. Habitualmente esta perturbação associa-se a uma tendência para a sobrealimentação sendo que, a maioria dos sujeitos têm excesso de peso ou são obesos. Como na Bulimia Nervosa verifica-se falta de controlo sobre a alimentação, manifestada na forma de grandes ingestões alimentares (sem existir fome), que são efectuados num curto espaço de tempo, ficando o sentimento de culpa, ineficácia e desgosto após o episodio. As ingestões causam mal-estar no indivíduo, preocupações com os efeitos da ingestão sobre o peso e a imagem corporal, e devem ter uma frequência de, pelo menos, duas vezes por semana, durante um período de seis meses para que seja diagnosticada a doença. Os episódios estão frequentemente associados à ingestão mais rápida do que o habitual de grandes quantidades, de comer sem sentir fome e de comer sozinho com grande voracidade.

Tem como sintomas físicos oscilações constantes de peso e como sintomas psicológicos a depressão, ansiedade, sentimentos de culpa, sentimentos de ineficácia, pensamentos frequentes sobre comida, isolamento social e pensamentos suicidas. Como consequências, a obesidade, diabetes, colesterol elevado, pressão arterial elevada, problemas respiratórios, renais, ósseos, artrites, problemas de pele e menstruação irregular.

 

Tratando-se de disfunções a nível mental, o acompanhamento psicológico é fundamental para o tratamento destas doenças, sendo também muito importante o apoio familiar. O tratamento passa por um plano estruturado que integra acompanhamento psicológico, aconselhamento familiar e reabilitação nutricional. O acompanhamento psicológico visa mudar comportamentos alimentares bem como identificar e corrigir pensamentos, crenças e sentimentos que perpetuam esses comportamentos e dificultam a sua modificação.

 

 

Catarina de Castro Lopes 

Directora Clínica de Psicologia na White

EMDR - Eye Movement Desensitization and Reprocessing

O que é o EMDR?

 

É um método de dessensibilização e reprocessamento de experiências emocionalmente traumáticas através da estimulação bilateral do cérebro, que promove a comunicação entre os 2 hemisférios cerebrais.

 

Uma grande variedade de perturbações é causada por memórias de acontecimentos perturbadores que se encontram fisiologicamente alojadas no cérebro de modo disfuncional. Estas memorias "mal arrumadas" podem causar sofrimento no presente.

 

Quando surge uma situação traumática, pode ficar bloqueada no sistema nervoso com a recordação original, com os sons, os pensamentos, as emoções do passado e as sensações físicas.

A terapia EMDR ajuda a desbloquear o sistema nervoso e permite que o cérebro processe a experiencia traumática. É um processo semelhante ao que se passa quando sonhamos (a chamada fase REM do sono) durante a qual os movimentos oculares rápidos facilitam o processamento do material inconsciente.

É importante salientar que é o paciente que activa o processo de cura e que mantém o controlo exclusivo deste processo.

 

É um poderoso e surpreendente método terapêutico, pois em pouco tempo, criam-se novas interpretações, novas reacções emocionais e novos comportamentos. Muito rapidamente os sintomas de que as pessoas se queixam desaparecem, o sono estabiliza e as dores extinguem-se.

 

Catarina de Castro Lopes

Diretora Clínica do Departamento de Psicologia na White

 

 

 

Tema do Mês - Cuide de si neste Natal

Psicologia - Stress no Natal

 

Doces, presentes, festa, família... É fácil associarmos estas palavras à quadra natalícia mas há quem associe esta época a cansaço, stress, ansiedade e frustração.

Andamos de um lado para o outro em compras extenuantes, à procura do melhor presente e em preparativos para o Natal. O presépio, a árvore de Natal, a decoração da casa, as refeições, as roupas para estrear... Tudo tem que estar perfeito e proporcionar uma óptima festa para todos. Esta azafama deixa-nos muitas vezes mal-humorados e irritados pois vamos até às últimas consequências físicas, monetárias e emocionais, sentindo que muitas vezes o nosso esforço e empenho não é reconhecido pelos outros (familiares e amigos), podendo despoletar sentimentos de frustração e ineficácia.

Tal é o stress que em vez de aproveitarmos o momento para nos divertirmos, passamos o tempo todo preocupados com o que ainda não fizemos o que provoca uma ansiedade imensa. Estaremos nós a viver o Natal? Ou a viver as nossas preocupações?

 

Apesar de toda a campanha comercial, o Natal é um momento para celebrar. É um dia para estar reunido com quem mais gosta, para partilhar e desfrutar da alegria de simplesmente estar junto da sua família e amigos. Não stresse! Aproveite o momento e abandone a fantasia da perfeição.

 

Neste Natal não caia no mesmo erro! Em alturas de maior stress procure fazer alguns exercícios de relaxamento. Na White podemos ajudá-lo a pô-los em prática e assim ficará munido de instrumentos que lhe serão muito úteis, não só para esta quadra natalícia mas para todos os momentos que lhe provocarem maior tensão ou ansiedade.

 

 

Catarina de Castro Lopes

Responsável pelo Departamento de Psicologia na White

 

Campanha de Natal White

Neste Natal ofereça um presente a si próprio ou a um amigo/familiar. Conheça os nossos vouchers e não perca esta excelente oportunidade!


 

Experiência White 360º

 

 

 

O Diagnóstico 360° efectuado na sua primeira consulta de dentária vai muito além dos seus dentes...

A Primeira Consulta WHITE 360° inclui:

- Avaliação dentária e observação clínica (Médico Dentista) com ortopantomografia (Raio X Panorânico), fotos Intra/Extra Orais, status radiográfico completo (Radiografias Periapicais), apresentação de diagnostico, opções de tratamento, apresentação de casos clínicos semelhantes e orçamento.

- Optimização do Desempenho Pessoal

- Avaliação Clínica Nutricional  

- Avaliação Dermo-Estética


* Veja as nossas condições abaixo.

 

Consulta de Higiene Oral

 

 

 

As consultas de higiene oral, são das mais importantes na área da medicina dentária. Nestas consultas é feito o rastreio de cáries e de todo o tipo de problemas que pode existir na nossa boca. Removemos a placa bacteriana, tártaro e manchas. Explicamos sempre a técnica de escovagem mais eficaz para cada pessoa e como se deve usar o fio dentário de modo a prevenir o aparecimento de cáries dentárias e de problemas gengivais.

 

* Veja as nossas condições abaixo.

 

Teste Braincreen e Neurotransmissores

 

 

Perfil de Análises Clinicas que avalia os principais intervenientes na neurotransmissão cerebral, assim como os neurotransmissores principais - Dopamina, Serotonina, Noradrenalina. Sente-se cansado? Desmotivado? Tem falta de memória e concentração? Sente-se triste ou ansioso? Este teste mede tudo isto! Os resultados permitem potenciar o bom funcionamento cerebral através de uma alimentação adaptada, complementação micro-nutricional e de eventual terapia, consoante as suas necessidades. O Braincreen e Neurotransmissores pode ainda ser efectuado numa perspectiva preventiva com o objectivo de reduzir certos factores de risco para as perturbações do humor, como a depressão, ou o declínio cognitivo (doença de Alzheimer, Parkinson e outras demências).


* Veja as nossas condições abaixo.

 

Teste das Intolerâncias Alimentares

 


 

Sabe que pode ser intolerante a alimentos que nunca sonhou serem capazes de fazer-lhe mal? Desde um pequeno desconforto a fortes dores, os sintomas podem variar e as implicações são várias. Enxaquecas, dor abdominal, dermatite, eczemas e infecções intestinais são apenas alguns dos problemas de saúde associados à sua alimentação que o seu organismo não tolera. Vai poder identificar todos esses alimentos com o test a200 - Teste da Intolerância Alimentar, e deste modo poderá identificar problemas de saúde associados à sua alimentação, bem como planear a dieta de um modo mais eficaz. Perca peso com maior facilidade e proteja a sua saúde!


* Veja as nossas condições abaixo.

 

Tratamentos de Estética para manter a forma nesta quadra natalícia

 

 

Entregue-nos o seu corpo e acredite que não se vai arrepender. Neste Natal vai estar em forma e poderá desfrutar um pouco mais, sem remorsos. A combinação de radiofrequência com sessões de plataforma vibratória é um dos nossos truques. O seu corpo é a chave para o complemento do tratamento que lhe propomos. Trabalhar a gordura acumulada, combater a flacidez e a celulite são os seus objectivos nesta época e nós vamos ajudá-lo com isso! 


* Veja as nossas condições abaixo.

 

Tratamentos de Estética para iluminar o seu rosto


Inclui 1 sessão de Avaliação e Diagnóstico e 3 sessões de Tratamento Personalizado Gernétic que são feitos de acordo com o seu tipo de pele:

  - White Face Cleaning -  limpeza profunda e reequilíbrio do pH da pele

  - Pele sensível (para peles com rosácea/couperose)

  - Skin Clair (para peles com manchas)

  - Antiageing (para peles envelhecidas)

  - Lifting facial (para peles flácidas)

  - Pele oleosa ou acneica (com acne)

Queremos que tenha uma experiência inesquecível nas mãos de profissonais altamente especializados que o(a) ajudarão a manter-se jovem por dentro e por fora. Na White trabalhamos consigo e para si! O seu rosto também reflete a sua alma, por isso deve estar sempre iluminado!

  

Condições:

Para comprar e receber o seu voucher efectue o pagamento através de transferência bancária (NIB: 0038 0000 39777731771 18; IBAN: PT50 0038 0000 39777731771 18; BIC/SWIFT: BNIFPTPL).

- Envie-nos o comprovativo de pagamento por email: contact-us@whitelifedesign.com ou entregue o cupão com o respectivo comprovativo no dia da 1ª utilização.   

- Caso queira oferecer o voucher de desconto como presente a outra pessoa, efectue o pagamento e ao ligar diga-nos quem (nome e contacto) irá usufruir do desconto.  

- Reservas através do número (+351) 21 396 27 27   

- Mencionar que a marcação é referente à compra do voucher. 

- Entregar o cupão no dia da utilização.

- Restrito a um cupão para 1 pessoa.  

- Não acumulável com outras ofertas.

- Válido durante 3 meses para iniciar a 1ª sessão.  

- Poderá continuar posteriormente com as consultas caso o deseje.

 

Na eventualidade de quaisquer dúvidas não hesite em contactar-nos.

 

Votos de um Feliz Natal!

Equipa White



Tema do Mês - Tabagismo - Psicologia

Se é fumador com certeza conhece os malefícios que o tabaco tem para sua saúde, por isso vamos poupá-lo a esses argumentos amplamente debatidos.

O que talvez desconheça é o mal que faz à sua pele e cabelo, as implicações que tem nas cirurgias, tratamentos estéticos e na sua saúde oral e estética dentária. Na White, preocupamo-nos com a sua saúde e beleza mas também com o seu bem-estar, por isso queremos ajudá-lo.

Quantas vezes já tentou deixar de fumar? Sabia que apenas 5% dos fumadores que tentam deixar de fumar o conseguem fazer sem ajuda de um programa especifico?

O nosso Programa de Cessação Tabagica – Programa Respirando, junta todas as abordagens comprovadas como mais eficazes para deixar de fumar (Sessões de Grupo ou Individuais, Bio e Neurofeedback, Nutrição e Acupunctura). Ao longo de 6 meses pode aprender um conjunto de estratégias que lhe irão ser muito úteis. Pode treinar técnicas de relaxamento que o ajudarão sempre que surgir o impulso para fumar, técnicas de motivação, aprender a monitorizar as suas reacções e consumos e criar alternativas viáveis ao habito.

Este programa está ainda desenhado para o apoiar nas eventuais recaídas e dificuldades ao longo de 4 meses e assim poder reverter deslizes. Estudos indicam que quem deixa de fumar faz entre 4 a 7 tentativas antes de o conseguir, isto significa que as recaídas têm que ser prevenidas.

 

Não se iluda!

Todos os motivos seriam suficientemente fortes para deixar de fumar se os cigarros não lhe causassem dependência.

O hábito de fumar na realidade não envolve apenas uma dependência física mas também uma dependência social e emocional. Este hábito está de tal modo automatizado em si que o leva a pegar num cigarro em diversas situações do seu quotidiano, como por exemplo,  situações de maior pressão no trabalho, discussões familiares, eventos sociais, quando bebe café ou álcool, quando se sente triste, irritado, feliz ou acabou uma determinada tarefa, quando está à espera do autocarro, quando conduz ou quando não tem nada para fazer. Assim, os cigarros são muitas vezes usados para mascarar emoções desconfortáveis como a tristeza ou a ansiedade.

 

Por não ser uma tarefa fácil é importante que procure ajuda de um programa especializado que o ajude a deixar de fumar.

 

 

Catarina de Castro Lopes

Responsável pelo Departamento de Psicologia na White

 

Medo de ir ao dentista

Tem medo de ir ao dentista? Adia consequentemente as suas consultas? Descura a sua saúde oral? Sente a sua saúde oral prejudicada devido ao medo que tem? Se sim, procure ajuda. Em poucas sessões de psicologia poderá perder o seu medo e verá que ir ao dentista não é assim tão desagradável!

 

 

Sabia que...

Estudos internacionais apontam para uma prevalência de 5 a 15% de ansiedade dentaria elevada. Alguns estudos afirmam que 6% da população mundial evita a consulta de medicina dentária, recorrendo a tratamentos apenas após o aparecimento de sintomas, resultando estes comportamentos, numa severa deterioração da saúde oral.

 

O medo intenso é experienciado com grande angustia e sofrimento mas por outro lado é uma emoção necessária e adaptativa, sendo mesmo crucial para a nossa sobrevivência, uma vez que é o medo que nos faz evitar perigos dando sinal ao cérebro e este por sua vez ao corpo de que iremos ter que responder ao estimulo que lhe está associado, por sinal perigoso. Essa resposta pode ser a fuga ou a luta.

Apesar da nossa capacidade de experienciar o medo ser uma função biológica inata, as nossas respostas a determinados objectos são adquiridas através da aprendizagem diária, assim como as sensações que temos.

O desenvolvimento de respostas de medo a situações potencialmente ameaçadoras é normal, natural e adaptativo, no entanto, a aquisição destas mesmas respostas a ameaças percepcionadas podem acontecer de uma forma aparentemente irracional e desproporcionada em relação à ameaça real. Esta reacção resulta da percepção pessoal da situação, baseada em experiencias passada e na interpretação da situação presente.

 

É o que acontece na fobia dentária que é denominada como uma fobia especifica aos tratamentos dentários, habitualmente desencadeada por acontecimentos traumáticos que tendem a ter um desenvolvimento particularmente agudo.

Uma fobia especifica é caracterizada pela presença de medo acentuado e persistente que é excessivo ou irracional, desencadeado pela presença ou antecipação de um objecto ou situação especifica. A exposição ao estimulo fóbico provoca quase invariavelmente uma resposta ansiosa imediata. A pessoa reconhece que o medo é excessivo, no entanto não tem controlo sobre suas reacções. As situações fóbicas são evitadas com intensa ansiedade e mal-estar, interferindo significativamente com as suas rotinas normais e funcionamento diário. O evitamento é a consequência mais complicada pelo impacto que tem na vida das pessoas e na sua liberdade individual.

A fobia é acompanhada por pensamentos catastróficos ou de incompetência pessoal, aumento do estado de vigília, tensão muscular, palpitações cardíacas, tremor, inquietação, assim como uma variedade de desconfortos somáticos decorrentes da hiperactividade do sistema nervoso autónomo.

 

 

Como é que a Psicologia o pode ajudar?

 

EMDR para fobias

 

EMDR (Eye Movement Desensitization and Reprocessing) foi desenvolvido por Francine Shapiro em 1989. É um método de dessensibilização e reprocessamento de experiências emocionalmente traumáticas através da estimulação bilateral do cérebro (ocular, auditiva ou por toque), que promove a comunicação entre os dois hemisférios cerebrais.

Quando surge uma situação traumática, pode ficar bloqueada no sistema nervoso com a recordação original, com os sons, os pensamentos, as emoções do passado e as sensações físicas. A terapia EMDR ajuda a desbloquear o sistema nervoso permitindo que o cérebro processe a experiencia traumática. É um processo semelhante ao que se passa quando sonhamos na chamada fase REM do sono, durante a qual movimentos oculares rápidos facilitam o processamento do material inconsciente.

O EMDR tem sido indicado nos últimos anos como tratamento para alguns problemas de ansiedade e várias fobias. Muitos casos têm demonstrado a sua eficácia em apenas duas ou três sessões no tratamento de fobias especificas com componente traumática. A vantagem desta técnica sobre a clássica Terapia Cognitivo Comportamental é a rapidez da sua acção e menor numero de sessões envolvidas.

O método EMDR é baseado na imaginação do estimulo fóbico ou exposição a este mesmo estimulo, acompanhado de movimentos oculares ou outros estímulos bilaterais, tendo uma forte componente cognitiva. Encoraja o paciente a focar-se nas suas sensações físicas e a imaginar a situação traumática. Esta abordagem permite que a pessoa identifique e separe as sensações afectivas do trauma das suas interpretações cognitivas. Desta forma a situação inicialmente perturbadora deixa de estar associada a emoções negativas, surgindo novas interpretações e levando a uma ausência de perturbação face ao estimulo fóbico, em poucas sessões.

 

A sua saúde oral não está perdida! Existe solução! O seu problema pode ser resolvido de forma rápida e duradoura.

  

Catarina de Castro Lopes

Responsável pelo Departamento de Psicologia da White

 

Redução de Peso - Consulta do Comportamento Alimentar


Actualmente sabemos que relativamente à etiologia, isto é, à causa do aumento de peso, factores genéticos ou biológicos estão relacionados a apenas 3% a 5% dos casos, estando a maioria ligados a factores psicológicos, como stress, ansiedade, tristeza, depressão, problemas relacionais, insucesso no trabalho ou desemprego que provocam a ingestão exagerada de alimentos ou a ingestão de alimentos mais calóricos.

Habitualmente a insatisfação com o corpo é acompanhada por sentimentos de culpa, vergonha, raiva, incapacidade, impotência e desesperança que por sua vez levam a uma maior ingestão alimentar. Assim, a comida é usada como forma ilusória de se tranquilizar, uma vez que estas emoções negativas que o levam a comer em excesso e consequentemente a engordar provocam sentimentos de culpa e ineficácia, entrando num verdadeiro ciclo vicioso.

Se a comida é usada como ansiolitico ou antidepressivo, surgindo como forma de colmatar a ansiedade ou tristeza, quando se recorre apenas a dietas restritivas, aumenta ainda mais a ansiedade, depressão, irritabilidade, levando algumas vezes a pensamentos obsessivos sobre a comida e à compulsão alimentar, podendo provocar uma recaída ou o efeito dietas iô-iô.

 

 

Como é que a psicologia o pode ajudar a perder peso?

A psicologia irá ajudá-lo na forma como se relaciona com a  comida. A perda de peso e a sua manutenção a longo prazo envolve aprendizagem e mudança de comportamentos no seu dia-a-dia.

É importante identificar o que está a causar ansiedade e sofrimento, como reage a essas emoções e perceber que pensamentos surgem como contraproducentes, tais como: “Perdido por 100 perdido por 1000” ; “Eu nunca vou conseguir perder o peso que pretendo” ou “Eu mereço este bolo.”.

 

Devido à diversidade de factores que contribuem para o aumento de peso, este processo requer intervenção de uma equipa multidisciplinar.

Na White temos uma equipa especializada que o ajudará a atingir o seu objectivo!

 

Nutricionista que irá desenvolver um plano alimentar especialmente para si, de acordo com as suas necessidades.

Personal trainer que o ajudará no tipo de exercício físico mais adequado para si.

Consulta do Comportamento Alimentar para o ajudar a mudar comportamentos que perpetuam a dificuldade em perder peso, gerir a ansiedade inerente a todo o processo e a controlar o impulso que o levam à ingestão alimentar exagerada ou hipercalórica.

Tratamentos Estéticos que o ajudarão a perder gorduras localizadas e a reafirmar a pele.

 

 

Veja alguns dos nossos testemunhos da consulta do Comportamento Alimentar para redução de peso:

 

“Estas sessões foram muito úteis, principalmente para no futuro continuar a colocar em prática os novos hábitos alimentares que adquiri e saber como controlar os pensamentos que interferem com o meu impulso para comer. Foi uma grande ajuda!”

Ana Filipa Pires

 

“Foi muito útil tudo o que aprendi. Fiquei com mais conhecimentos e deu-me mais força para continuar e saber fazer a alimentação correcta. Nunca tinha percebido que a psicologia podia ajudar tanto a emagrecer. Ajudou-me a fazer o que é mais correcto para a minha saúde e bem-estar e a obter prazer com isso!”

Maria Martins

 

“Percebi a relação entre os meus pensamentos, emoções e o meu comportamento alimentar. Aprendi algumas estratégias para lidar com esses pensamentos irrealistas que se apresentavam como um obstáculo para conseguir perder peso.”

Teresa Lopes