Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linha White

Estética em Medicina Dentária – Parte 2

No último post falámos um pouco acerca dos possíveis tratamentos estéticos passíveis de efectuar à nossa dentição – branqueamento dentário, restaurações, coroas e facetas cerâmicas, ortodontia, etc. Estes tratamentos permitem modificar a posição, encaixe e aspecto visível dos nossos dentes, sem no entanto alterarmos o que os rodeia: a gengiva, lábios, e todos os tecidos peri-orais. Estes factores são importantíssimos para a Estética global, e nunca deverão ser menosprezados. Um mau contorno gengival, por exemplo, poderá deitar por terra o resultado final de um tratamento estético dentário. De que serve um “quadro” bonito, quando a “moldura” não é suficientemente estética?

 

Uma gengiva sã, com contorno alinhado, é um requisito fundamental para obtermos um sorriso estético. Para tal, para além de uma correcta higiene oral, poderemos fazer diversas intervenções que permitem melhorar o nosso sorriso a nível gengival. A gengivectomia, o recobrimento radicular e o peeling gengival são três desses exemplos. No primeiro tratamento removemos eventuais excessos de gengiva (que poderão esconder parte da estrutura dentária, dando a impressão de que os dentes são muito curtos, ou de que mostramos demasiada gengiva quando sorrimos), permitindo, também, realinhar o contorno gengival, quando este é irregular. Já no caso do recobrimento radicular, iremos recuperar a gengiva perdida (por exemplo, quando a gengiva regrediu, expondo parte da raiz), mediante diversas técnicas. Finalmente, o peeling gengival, consiste numa ligeira abrasão dos tecidos gengivais, feita com anestesia local, que permite remover eventuais manchas que existam na gengiva, permitindo obter uma estética mais favorável.

 

Relativamente aos lábios e aos tecidos peri-orais, podemos afirmar que muitas vezes as rugas que apresentamos são de origem dentária. Como?

Sabemos que grande parte do suporte do terço inferior da face (entre o nariz e o queixo) é dado pela estrutura óssea e dentária subjacente. Ao perdermos um ou mais dentes, esse suporte fica diminuído, levando a um colapso da nossa pele, responsável por algumas das rugas profundas que surgem na nossa face. Uma boa maneira de evitar e reduzir essas mesmas rugas, é voltar a recuperar esse suporte, repondo os dentes em falta (seja com próteses, implantes, coroas em cerâmica, etc.), e complementar esse tratamento com eventuais técnicas de cirurgia plástica (aplicação de ácido hialurónico, botox, etc).

 

Devemos sempre considerar a estética como um todo, não como a soma isolada das várias partes que a compõem – assim sendo, para além de se limitar a intervir na sua dentição, considere melhorar o aspecto das suas gengivas e lábios. Verá que os resultados serão ainda mais gratificantes!

Rugas de origem dentária

Boa noite,

 

Tenho 57 anos e perdi quase todos os meus dentes num acidente de carro há 3 anos. Desde aí tenho vindo a reparar que as rugas na minha cara se tornaram mais vincadas. Será devido à idade e ao stress, ou os dentes podem ter alguma coisa a ver com isso?

 

Actualmente uso uma placa removivel, mas detesto-a, porque magoa nalgumas zonas, e tem tendencia a mexer-se.

 

Que soluções existem para o meu caso? gostava de ter dentes fixos novamente e de diminuir as rugas, que me fazem parecer ter mais 20 anos.

 

Obrigada desde ja,

 

Ana