Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linha White

ESPECIAL “MARMITA”

Atualmente, para a grande maioria dos portugueses, não há carteira que resista a refeições fora todos os dias.

 

Muito já deu que falar a moda da “marmita”, que deixou de ser uma tendência para passar a ser um hábito já incutido nas nossas vidas. Aliás, as próprias empresas, com ou sem refeitório, acabaram por adaptar-se aos tempos, disponibilizando microondas para que os seus funcionários possam aquecer a comida que levam de casa.

 

A título de curiosidade, já deve ter reparado que esta moda abriu janelas de oportunidades para negócios de caixas e caixinhas, talheres coloridos e lancheiras que mais parecem de alta-costura… com preços e cores para todos os gostos.

 

A verdade é que levar as refeições de casa é uma atitude não só aconselhável como também inteligente:

 

- Se fizermos as contas a uma média de 6 euros por refeição, a poupança pode rondar os 150 euros por mês.

 

- Se for lanchar a um café ou pastelaria, fazendo as contas a 3 euros por lanche, dificilmente gastará por mês menos de 60 euros. 

 

Por isso, quando estiver a preparar a comida para levar para o trabalho, contemple também algo para as refeições intermédias e ainda um ou outro snack para andar no carro.  

 

A moda da marmita pode ter tido origem em questões económicas. Mas felizmente veio permitir juntar à vantagem da poupança os benefícios em matéria de saúde. Regra geral, uma refeição cozinhada em casa é mais saudável, em termos de sal, das gorduras processadas e da quantidade que se ingere. E as sopas, costumam ser iguais às que faz lá em casa? Não, pois não?!

Além disso, basta pensar que num restaurante onde o almoço custe 5 ou 6 euros, a qualidade dos alimentos dificilmente será a melhor – naturalmente os restaurantes tentam obter o maior rendimento com o menor custo.

 

Por todas as razões e mais alguma, se ainda não pertence ao clube dos “marmiteiros”, adira a esta onda!... Ganhe em dinheiro e em saúde e perca em quilos.

 

Iara Rodrigues

Directora do Departamento de Nutrição WHITE

 

PETISCAR SEM SE COMPROMETER

Dicas saudáveis para pôr em prática todos os dias

 

Geralmente, quando nos dá fome, temos a tendência de comer o que está mais à mão. Muitas das vezes, essa escolha está, no entanto, longe de ser a melhor.

 

O petisco pressupõe “pequenas doses de comida, ingeridas num ambiente descontraído e pode ser uma refeição ligeira e nutricionalmente adequada”.

 

No entanto, se não se prestar atenção ao que come irá cometer excessos. Aprenda, por isso, a evitar os erros mais comuns, seguindo os conselhos que se seguem:

 

- Faça do petisco o prato principal;

- Em casa, inclua opções como espetadas de tomate cereja, manjericão e queijo fresco, feta ou mozarella;

- Prefira petiscos ligeiros como amêijoas à bulhão pato, conquilhas ou salada de polvo;

- Não abuse do álcool;

- Sirva-se de uma só vez;

- Evite acompanhar os petiscos com pão;

- Desfrute da companhia dos amigos, converse, ria mais e coma menos;

- Não abuse dos fritos nem dos molhos;

- Antes de sair de casa para um convívio gastronómico com amigos, coma uma maçã e beba água.

 

 

Iara Rodrigues

Directora do Departamento de Nutrição WHITE

 

 

DOENÇAS SILENCIOSAS... A DIABETES.

A diabetes é uma doença em crescimento, que atinge cada vez mais pessoas em todo o mundo e em idades mais jovens. No entanto, há grupos de risco com fortes probabilidades de se tornarem diabéticos.


QUEM TEM RISCO DE TER DIABETES?

  • Pessoas com familiares diretos com diabetes;
  • Homens e mulheres obesos;
  • Homens e mulheres com tensão arterial alta ou níveis elevados de colesterol no sangue;
  • Mulheres que contraíram a diabetes gestacional na gravidez;
  • Crianças com peso igual ou superior a quatro quilogramas à nascença;
  • Doentes com problemas no pâncreas ou com doenças endócrinas.

Os sintomas da diabetes, nunca é demais relembrar.

 

DEVE ESTAR ATENTO AOS SEGUINTES SINAIS:

 

Nos adultos - A diabetes é, geralmente, do tipo 2 e manifesta-se através dos seguintes sintomas:

  • Urinar em grande quantidade e muitas mais vezes, especialmente durante a noite (poliúria);
  • Sede constante e intensa (polidipsia);
  • Fome constante e difícil de saciar (polifagia);
  • Fadiga;
  • Comichão (prurido) no corpo, designadamente nos órgãos genitais;
  • Visão turva.

Nas crianças e jovens, a diabetes é quase sempre do tipo 1 e aparece de maneira súbita, sendo os sintomas muito nítidos:

  • Urinar muito, podendo voltar a urinar na cama;
  • Ter muita sede;
  • Emagrecer rapidamente;
  • Grande fadiga, associada a dores musculares intensas;
  • Comer muito sem nada aproveitar;
  • Dores de cabeça, náuseas e vómitos.

É importante ter presente que os sintomas da diabetes nas crianças e nos jovens são muito nítidos. Nos adultos, a diabetes não se manifesta tão claramente, sobretudo no início, motivo pelo qual pode passar despercebida durante alguns anos. Os sintomas surgem com maior intensidade quando a glicemia está muito elevada. E, nestes casos, podem já existir complicações (na visão, por exemplo) quando se deteta a doença.

 

Devidamente tratada, a diabetes não impede o doente de ter uma vida perfeitamente normal e autónoma. Contudo, é fundamental que o diabético se ajude a si mesmo, autocontrolando a sua doença. Aliás, se o doente for determinado neste papel de autovigilância, a sua vida ficará muito facilitada.

 

O papel do nutricionista nesta doença é elementar. O nutricionista é um profissional de saúde de nível superior que atua em todas as áreas do conhecimento em que a alimentação seja fundamental para a promoção, manutenção e recuperação da saúde, sem perder de vista o prazer que uma refeição deve proporcionar. Existe a falsa ideia de que o doente diabético tem que fazer dieta para a vida e isso só de pensar gera angústia… Se, com a minha ajuda, reeducar os seus hábitos, adequando os seus gostos às suas necessidades, a palavra “dieta” pode ser abolida!

 

Conte com a minha ajuda e faça da sua alimentação o seu “remédio”. 

 

Iara Rodrigues

Directora do Departamento de Nutrição WHITE

 

EXCESSOS ALIMENTARES NO NATAL

Natal é estar junto de familiares e amigos e passar horas em torno da... mesa!


A grande questão coloca-se: comer ou não comer? A verdade é que nem sempre é “possível” resistir, nem passar a véspera de Natal a contar calorias…

 

Com toda a informação que recebemos diariamente sobre alimentação, por vezes fica esquecido que, também, a alimentação passa pelos aspetos emocionais e sociais, pelo convívio e o estar em família à mesa, pelo dom de transmitir afetos e até opiniões.

 

Cometer alguns excessos alimentares em ocasiões especiais não representa um perigo para a saúde, desde que, não se arraste durante dias ou mesmo semanas consecutivas, comummente observado ao longo de todo o mês de dezembro.

 

Mentalize-se: engordamos de janeiro a dezembro e não de dezembro a janeiro!

 

O que se pretende recomendar é moderação nesta fase. Faça um “excesso equilibrado”, consciente e não deixe para depois o que pode já ir controlando agora... Os aumentos de peso característicos desta época, em alguns casos dramáticos, podem demorar meses a ser compensados. Posto isto, não acumule dificuldades!

 

Por isso pense e planeie antes, para não se arrepender depois!

 

Obviamente que não se pretende quebrar os rituais e os hábitos nesta época do ano, apenas existe o objectivo de alertar eventuais excessos que, tipicamente, ocorrem nesta altura do ano.

 

Neste sentido, o melhor conselho que posso dar a quem quer minimizar os excessos durante a época Natalícia é que siga as “regras” de uma alimentação saudável: completa, equilibrada, variada e moderada.

 

Caso não o faça, de todo… em Janeiro, vai sempre a tempo de entrar nos eixos! 

 

Iara Rodrigues

Directora do Departamento de Nutrição WHITE