Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linha White

Ortorexia - Quando a alimentação saudável passa a obsessão

Esta perturbação é caracterizada por uma preocupação exagerada com o tipo de alimentos consumidos. Estas pessoas apenas ingerem alimentos saudáveis e escrutinam o conteúdo nutricional de cada alimento – calorias, vitaminas e nutrientes. Qualquer coisa que contenha o mínimo vestígio do que está na lista do “não permitido” não é consumido.

Esta rigidez alimentar levada ao extremo acaba por interferir na qualidade de vida destas pessoas, uma vez que a alimentação passa a controlar o seu dia-a-dia. Frequentemente recusam comer em casa de amigos ou familiares por nao saberem o que irá ser servido e são capazes de percorrer longas distancias para comprar os seus alimentos. A obsessão com a alimentação saudável interfere em actividades e interesses, prejudica as relações afectivas, tornando-se física e psicologicamente perigosa. Os problemas sociais são evidentes. Um ortorexico habitualmente isola-se socialmente por planear a sua vida em função da comida. Pode inclusive perder a capacidade de comer de forma intuitiva – não saber quando tem fome, quanto precisa comer ou quando está satisfeito.

A auto-estima destas pessoas é baseada na “pureza” dos alimentos consumidos.

Quando não conseguem seguir as suas regras alimentares desencadeiam processos de frustração, podendo mesmo chegar a depressão. Não se trata de uma preocupação normal em fazer uma alimentação saudável. Trata-se de um comportamento radical que condiciona toda a vida pessoal e social.


 

 

Será que eu tenho Ortorexia? Considere as seguintes questões:

 

- Só se permite comer alimentos saudáveis?

- Consegue comer uma refeição preparada por outra pessoa?

- Observa e comenta a maneira como outras pessoas preparam a comida?

- Dá consigo a pensar em conteúdo nutricional durante o dia?

- Seguir uma dieta saudavel é a sua prioridade na sua vida? O trabalho e a diversão estao em segundo plano?

- Sente-se culpado ou com raiva quando comete um pequeno deslize no seu plano alimentar?

- Sente-se sob controlo quando come apenas alimentos considerados saudaveis?

- Nao consegue entender como é que as outras pessoas podem comer determinados alimentos como fast food, enlatados, biscoitos, etc?

 

 Consequências da Ortorexia

Para alguns, a capacidade de concentração (no trabalho ou estudo) pode começar a declinar, à medida que os seus pensamentos se ocupam cada vez mais com a alimentação, com alimentos permitidos, como articula-los no seu dia-a-dia, quantas vezes se deve mastigar e por aí fora. O pensamento pode ficar totalmente ocupado com comida, deixando pouco espaço para outras ideias. A concentração e a motivação acabam por ficar na retaguarda.

A ortorexia pode acarretar graves prejuízos à saúde, caso o ortoréxico não substitua os alimentos que evita consumir por outros que lhe ofereçam o mesmo complemento nutricional. Entre as conseqüências fisicas encontram-se quadros de anemia e carência vitamínica. Apesar disso, o isolamento social é um prejuízo às vezes mais difícil de reparar do que os próprios danos físicos.

 

Tratamento

Tal como noutras perturbações alimentares, a ajuda de profissionais especializados é fundamental.

Embora seja uma perturbação pouco divulgada pode ter reprecussões serias para a saude (fisica e mental).

O acompanhamento psicológico em conjunto com o acompanhamento nutricional, são a chave para se ultrapassar esta obsessão. 

 

Nao deixe de pedir ajuda! Venha fazer uma avaliação gratuita connosco.

 

 

Departamento de Psicologia e Nutrição da White

Catarina de Castro Lopes (Directora do Departamento de Psicologia)

Iara Rodrigues (Directora do Departamento de Nutrição)

PETISCAR SEM SE COMPROMETER

Dicas saudáveis para pôr em prática todos os dias

 

Geralmente, quando nos dá fome, temos a tendência de comer o que está mais à mão. Muitas das vezes, essa escolha está, no entanto, longe de ser a melhor.

 

O petisco pressupõe “pequenas doses de comida, ingeridas num ambiente descontraído e pode ser uma refeição ligeira e nutricionalmente adequada”.

 

No entanto, se não se prestar atenção ao que come irá cometer excessos. Aprenda, por isso, a evitar os erros mais comuns, seguindo os conselhos que se seguem:

 

- Faça do petisco o prato principal;

- Em casa, inclua opções como espetadas de tomate cereja, manjericão e queijo fresco, feta ou mozarella;

- Prefira petiscos ligeiros como amêijoas à bulhão pato, conquilhas ou salada de polvo;

- Não abuse do álcool;

- Sirva-se de uma só vez;

- Evite acompanhar os petiscos com pão;

- Desfrute da companhia dos amigos, converse, ria mais e coma menos;

- Não abuse dos fritos nem dos molhos;

- Antes de sair de casa para um convívio gastronómico com amigos, coma uma maçã e beba água.

 

 

Iara Rodrigues

Directora do Departamento de Nutrição WHITE

 

 

PERDA DE PESO DEPOIS DOS EXCESSOS DAS FESTAS

QUER PERDER ALGUNS QUILOS DEPOIS DOS EXCESSOS DOS ÚLTIMOS MESES? ENTÃO, DO QUE ESTÁ À ESPERA?! CRIE REGRAS PARA NÃO VOLTAR A ENGORDAR.

 

Antes de mais, convém esclarecer que o objetivo destas dicas alimentares não é levá-lo a emagrecer a qualquer custo, mas sim a reajustar a sua silhueta de forma saudável e sustentável, para não voltar a engordar.

 

Na verdade, de nada lhe adianta fazer uma drástica restrição alimentar em tempo recorde, porque assim que voltar a comer “normalmente”, os quilos perdidos voltam e, muitas vezes, vem “acompanhados” de outros tantos...

 

Se demorou um, dois, cinco ou mais anos a ganhar “aqueles” quilos que tanto o incomodam, por que motivo há de acreditar que, em pouco tempo, vai ser possível perdê-los? Convém saber que fazer jejum ou saltar refeições é prejudicial, quer para a saúde, quer para as boas intenções e que, após longos períodos sem comer, tendem a cometer-se maiores “desvios” (excessos alimentares).

O radicalismo não é a solução: eliminar alimentos ou reduzir abruptamente as calorias ingeridas pode dar mau resultado. Então qual a solução? Perder peso implica, antes de mais, uma mudança de comportamentos. Como? Comece por identificar a presença de quilos a mais, pense no incómodo que isso lhe causa, bem como nos hábitos que conduziram a essa situação. Depois, use o bom senso, trace um plano com metas realistas e graduais e encontre a motivação que lhe falta para começar e manter o processo.

Ainda assim, nem sempre se consegue controlar o peso sem ajuda. Neste caso, uma consulta médica com um nutricionista permite tomar conhecimento de todas as opções, nomeadamente no que se refere a dietas exequíveis e aconselhadas, levando ao desenvolvimento de uma maior responsabilização do paciente pelo seu estado de saúde.

REGRAS DO “JOGO”.

 

Uma dieta cujo objetivo é perder peso em poucos dias nunca deverá ser a sua primeira opção. A alternativa? Faça-o gradualmente e sem radicalismos. Para esse efeito, devemos ter em conta as seguintes regras:

 

  • Comer mais vezes e em menor quantidade: As primeiras medidas para a correção de peso impõem a redução da ingestão calórica diária. Para além disso, o intervalo entre as refeições deve variar de acordo com o tempo de digestão de cada indivíduo e dos alimentos ingeridos, mas não deve ultrapassar, em média, as três horas. O importante é comer antes de sentir fome.
  • Escolher os alimentos: Uma dieta em que se pretende alcançar um objetivo “rápido” deverá abundar de alimentos “saudáveis” e excluir os ditos “desaconselhados” (queijos gordos, enchidos, álcool, refrigerantes, bolachas, gelados, chocolates, salgados, etc.). Deve sempre incluir uma quantidade de proteína (peixe, carne, ovos ou leguminosas) e de gordura (pouca mas a necessária para as funções orgânicas prevalecerem). A preferência deverá recair sobre o azeite, que acompanha bem os vegetais e hortícolas. Nas refeições intercalares, deverá optar por fruta ou iogurtes.
  • Alimentos aconselhados:

          - Leite magro ou bebida de soja (sem sabores) ou “leites” de cereais

            (arroz, aveia…)
          - Iogurtes sem açúcar
          - Queijo fresco com 0% de gordura
          - Legumes frescos ou congelados
          - Peixe: pescada, dourada, robalo, salmão, linguado, bacalhau, etc.
          - Café e chá sem açúcar
          - Certas frutas como melancia, melão, pera, maçã, laranja, tangerina

            e kiwi
          - Sopa de legumes com pouca batata e cenoura: de espinafres, agriões,

            nabiças, alho francês, feijão-verde, rúcula, tomate, couve

            lombarda, etc.

  • Alimentos permitidos:

          - Carne magra: vaca, frango, peru, avestruz
          - Conserva ao natural, patê (atum ou sardinha)
          - Charcutaria (sem gordura, muito esporadicamente): presunto, paio,

            fiambre, salsicha fresca, morcela de sangue
          - Queijos com menos de 25% de gordura
          - 2 ovos por semana, se possível evitando a gema
          - 1 pão por dia, de preferência integral ou de mistura
          - Batatas, massa ou arroz como acompanhamento, mas apenas numa

            das refeições do dia. De preferência integrais.
          - Adoçante: até 10 pastilhas por dia
          - Condimentos: azeite, vinagre, caril, gengibre, pimenta, alho, salsa,

            coentros, ervas aromáticas, azeitonas (até 3 por dia), óleo de girassol

            ou creme vegetal para cozinhar.
          - Vinho tinto maduro seco (um copo esporadicamente), champanhe

            (em dias de festa).

  • Alimentos desaconselhados:

          - Leite gordo
          - Produtos lácteos gordos e açucarados (iogurtes gordos, leite)
          - Queijos gordos
          - Carne gorda: pato, ganso, cabrito, ovelha, etc
          - Enchidos, alheiras, farinheiras
          - Fritos com farinha, pão ralado, massa de pastel ou de rissol,

            massa folhada
          - Conservas embebidas em gordura
          - Fígado, patê de fígado
          - Ostras, lagostins, caranguejo, delícias do mar
          - Frutos secos e enlatados
          - Álcool: vinhos doces (vinho do Porto, da Madeira ou Martini),

            vinhos rosé, vinho verde, cerveja (mesmo sem álcool), whisky,

            licores, etc
          - Refrigerantes (mesmo os light)
          - Doces (bolachas, gelados, chocolates, pastéis, etc.)

  • Regras a respeitar:

          - Use especiarias: Podem usar-se condimentos e ervas aromáticas para

            tornar os pratos mais agradáveis.


          - O açúcar é rico em calorias e não contém substâncias vitais como

            outros alimentos. Por esse motivo é totalmente desaconselhado.  

            Por açúcar deve entender-se igualmente caramelos, chocolates,

            bolos de creme e outros doces.

          - O que não se pode comer cru, deve cozinhar-se de forma a

            prejudica o menos possível o seu valor nutritivo. Ou seja, não

            se deve cozinhar demasiado nem guisar, sendo preferível cozer ao

            vapor, estufar ou assar.


          - Durante a refeição devem evitar-se preocupações! Trabalho,

            problemas, jornais, televisão, telefone, agitação ou discursos

            educativos não são adequados à hora da refeição. Uma mesa

            posta com graça e uma conversa agradável contribuem para criar

            um ambiente relaxante.

  • Conselhos úteis:

          Para ter sucesso na perda de peso, deve respeitar os

          seguintes princípios:


          - Faça, no mínimo, três a cinco refeições por dia.
          - Beba, no mínimo, 1,5 L de água por dia.
          - Evite bebidas alcoólicas e refrigerantes.
          - Tome sempre o pequeno-almoço.
          - Limite ao máximo as gorduras, fritos e açúcares.
          - Pese-se uma vez por semana, no máximo.
          - Faça exercício (caminhadas, por exemplo).
          - Muna-se de auto-disciplina, força de vontade e perseverança.
          - Não é aconselhável perder mais de 4 ou 5 quilos por mês.

 

 

 

Iara Rodrigues

Directora do Departamento de Nutrição WHITE

 

 

 

Psiconutrição para Redução de Peso

Motivação, adesão, manutenção, recaída e lapso, são palavras frequentemente usadas quando iniciamos uma dieta para perder peso.

 

Acreditamos que “a união faz a força” e é por esse motivo que criámos o conceito de PsicoNutrição que visa a integração de duas especialidades: a Consulta de Nutrição e a Psicologia (Consulta de Comportamento Alimentar). Estas duas áreas complementam-se bastante e só assim será garantida a verdadeira mudança.

 

O processo deve ser individual e com orientação de um Nutricionista e de um Psicólogo, tendo em conta o estilo de vida de cada pessoa, assim como a presença de doenças pré-existentes que possam constituir um obstáculo para os resultados pretendidos.

 

 

 

 

 

A Consulta de Nutrição

Baseia-se, entre outros aspectos, na reeducação alimentar. Termo muito comentado ultimamente como o "segredo" para perder peso e ter uma vida mais saudável, livre de doenças e do efeito dietas iô-iô.

Mas será que sabe no que consiste este processo?

Durante toda a nossa vida, principalmente na infância, aprendemos o que devemos comer com os nossos pais e/ou as pessoas que nos rodeiam e nem sempre são alimentos saudáveis.

Quando ficamos mais velhos ou nos deparamos com alguma doença como a hipertensão, o colesterol ou mesmo com o excesso de peso, tomamos consciência da importância da alimentação para uma vida melhor e descobrimos que não nos alimentamos de forma equilibrada.

É aí que entra a reeducação alimentar, que consiste na mudança de alguns hábitos, mas sem deixar de fora o que faz parte da cultura de cada um.

O principal conceito que devemos aprender é que a reeducação alimentar não consiste em deixar de comer tudo o que gosta e passar a comer apenas fruta, verduras, legumes e alimentos ditos light. Muito pelo contrário, é aprender que pode comer de tudo, mas sem exageros e de forma consciente.

Mudar hábitos não é fácil. É uma tarefa que requer esforço e disciplina, mas é possível. Quando o objectivo maior é a saúde, a prevenção de doenças e o melhor aproveitamento do organismo, o esforço vale a pena.

O mais importante é ter sempre prazer quando se alimenta. Tudo o que fazemos por sacrifício e sofrimento, não conseguimos manter por muito tempo.

 

A Consulta do Comportamento Alimentar

O acto de “comer” é muitas vezes um comportamento disfuncional, usado como estratégia reguladora de emoções desconfortáveis. Sentimentos de tristeza, culpa, raiva, incapacidade, impotência e desesperança podem levar à ingestão alimentar exagerada ou hipercalórica. Actualmente sabemos que factores psicológicos, como stress, depressão, problemas relacionais, insucesso no trabalho ou desemprego provocam aumento de apetite ou a chamada “ânsia por comer”. Assim, a comida é usada como forma ilusória de se tranquilizar, uma vez que estas emoções que o levam a comer em excesso e consequentemente a engordar, provocam por sua vez sentimentos de culpa, arrependimento e frustração, entrando num verdadeiro ciclo vicioso.

Se a comida é usada como ansiolitico ou antidepressivo, surgindo como forma de colmatar o desconforto emocional, quando se recorre a dietas isoladamente, pode aumentar ainda mais a ansiedade, depressão, irritabilidade, podendo levar à desmotivação e consequentemente provocar recaídas.

Por este motivo é fundamental aprender técnicas mais adequadas e eficazes para regular as suas emoções, extinguindo deste modo a necessidade de recorrer à comida. Além disso, é importante intervir no controlo de impulsos e na motivação para suster hábitos alimentares saudáveis e ajustados especialmente a si.

A Consulta do Comportamento Alimentar irá ajudá-lo na forma como se relaciona com a  comida, levando a uma perda de peso mais rápida e à sua manutenção a longo prazo uma vez que este processo envolve aprendizagem e mudança de comportamentos no seu dia-a-dia. O objectivo passa pela mudança de comportamentos que perpetuam a dificuldade em perder peso e gestão da ansiedade inerente a todo o processo.

 

Devido à diversidade de factores que contribuem para o aumento de peso, este processo requer intervenção em equipa. Com a ajuda integrada destas duas valências irá com certeza atingir o seu objectivo!


Dra. Catarina de Castro Lopes (Directora Clinica de Psicologia na White)

Dra. Iara Rodrigues (Directora Clinica de Nutrição na White)