Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linha White

DERMATOLOGIA – Todos os anos devemos mudar de “máscara”

Numa perspectiva dermatológica, numa altura em que ninguém leva a mal as brincadeiras de Carnaval, convidamo-la a deixar cair de vez essa “máscara” que ao longo dos anos foi tomando conta da sua pele.

O rosto, pescoço, colo e mãos são as zonas do nosso corpo mais desprotegidas durante o ano inteiro, faça frio ou calor, pelo que devemos estar atentos e criar hábitos de protecção e prevenção.

No entanto, há casos em que os danos já são demasiado evidentes e incomaditivos ao olhar e ao toque. Na WHITE temos à sua disposição uma seleção de peelings que tratam a camada superior da pele, ou seja, a mais danificada pelos factores externos e cuidados diários, como se de máscaras sobre máscaras se tratasse.

Dependendo da profundidade do peeling, a textura da pele em geral é suavizada, as rugas superficiais são eliminadas e as irregularidades de cor são melhoradas, havendo uma revitalização da pele na zona tratada. Indicado para tratamento de rugas faciais, manchas, anormalidades de pigmentação, pano e outros problemas de pele superficial, incluindo lesões pré-cancerosas, acne/cicatrizes de acne e sardas, esta é uma das formas mais inovadoras no rejuvenescimento da pele.

Esta é a altura perfeita para mudar de máscara, deixar cair a pele envelhecida e rejuvenescer o rosto, trazendo mais brilho e esplendor à sua Vida!

 

Leonor Girão

Dermatologista

Diretora Clínica de Dermatologia

Clínica White


Tema do Mês - Tabagismo - Dermoestética

Quando a pele respira o mesmo que os seus pulmões..

 

Seja fumador activo ou passivo, todos sabemos o quão prejudicial é o fumo do tabaco para a nossa saúde em geral, mas raramente nos lembramos dos estragos que, ao longo do tempo, provoca à pele.

Os indícios de ser fumador não se limitam ao odor oral mas também corporal, nomeadamente no odor do cabelo e das roupas, para além das manchas amareladas nos dedos e nas unhas, o que, no caso de ser fumador, sabemos que bem reconhece e também não aprecia. Agora imagine o que sentirão os não fumadores que o rodeiam!

É normal que ao olhar-se diariamente ao espelho não note os efeitos imediatos do fumo do tabaco, pois este actua silenciosamente no decorrer dos anos, ou seja, as toxinas da combustão do tabaco ficam em suspensão e os seus efeitos só se manisfetam e são detectados muito mais tarde. Para que tal aconteça não tem de ser necessariamente fumador, basta trabalhar ou viver a maior parte do dia a dia num ambiente de fumador.

No entanto, se é fumador activo os efeitos serão mais visíveis e agressivos em vários aspectos da sua saúde, incluindo o aspecto da sua pele. Vejamos que, se por um lado, a nicotina actua como um potente vasoconstritor, dimimuindo o fluxo sanguineo e dificultando a oxigenação da pele, por outro lado funciona como um inibidor à função dos fibroblastos essenciais na produção de colágénio e elastina. Neste sentido, uma pele asfixiada, com as defesas naturais enfraquecidas e permeável às agressões externas, é inevitavelmente uma pele envelhecida. O aparecimento das rugas é prematuro, a textura e o aspecto saudável vão-se deteriorando, ficando com a pele fica baça, amarelada e enrugada.

Cuidar da pele é essencial para todos nós mas para si, no caso de ser fumador, torna-se preventivo e indispensável! Simples actos como uma boa limpeza, lavagem, nutrição e protecção são os que deve colocar em prática diária e activamente. Actualmente, para além dos cuidados diários que todos devemos ter em conta, para si que é fumador existem diversas técnicas que incidem num nível mais profundo da pele, como os peelings químicos em que a camada superficial é removida, as manchas são combatidas e suavizadas, dando um aspecto mais saudável à sua pele. As vitaminas e nutrientes que a mesoterapia restituem à sua “pele fumadora” também são extremamente eficazes, bem como os cosmocêuticos.

Hoje já se olhou ao espelho? Acha que as olheiras e incongruências de várias ordens da sua pele são normais e passageiras?

Caro leitor, pare um pouco e olhe bem para si, repense as suas acções e prioridades diárias. O seu exterior, neste caso a sua pele, é o espelho do seu interior. Talvez esteja na altura de se cuidar mais e melhor. Seja para aconselhá-lo e ensiná-lo a cuidar da sua pele diariamente e em casa, seja para tratar da sua pele de uma forma mais activa e intensiva, estamos aqui para o ajudar!

 

Departamento de Dermoestética da White

Rugas de origem dentária

A partir de determinada idade, é natural que se desenvolvam rugas na face. Estas rugas não escolhem idade, classe social ou sexo, e afectam as pessoas sobretudo a partir dos 50 anos de idade.

 

A maioria das pessoas julga que a unica solução para essas rugas é sujeitarem-se a cirurgias plásticas mais ou menos complexas, ou, simplesmente, aceitarem-nas como marca do tempo que passou. Com o avançar da idade, é também mais comum a perda de dentes, o que vai originar um colapso dos tecidos moles da face, um abatimento das bochechas e dos lábios, que aumenta as rugas e nos dá um aspecto mais envelhecido e cansado.

 

A exposição exagerada ao sol, e o tabagismo, são igualmente outros factores que concorrem para o desenvolvimento de rugas na face. O que muitas pessoas não sabem, é que o restabelecimento dos dentes em falta é fundamental para diminuir as rugas. Assim sendo, quando ponderar tratar ou fazer algo para minimizar as suas rugas, lembre-se de que o primeiro passo é repor a dentição perdida, de forma a voltar a ter um bom suporte da bochecha e dos lábios, e só então avançar para os tratamentos ditos "estéticos", como a cirurgia plástica, o re-preenchimento / volumização com ácido hialurónico, botox, etc.

 

Um bom protocolo seria o tratamento dentário, seguido de tratamentos dermo-estéticos, associado a uma redução da exposição ao sol, e eliminação do tabagismo.

 

A Equipa da WHITE

A alegria e felicidade são o estado natural de saúde

Todos os dias nos deparamos com imagens de corpos jovens, atléticos e perfeitos. Na sociedade actual o corpo mostra a sua omnipresença, sendo bem visível na publicidade, na moda e na cultura. O reforço dado pelos "media" em mostrar formas físicas atraentes, faz com que a nossa sociedade se lance em busca de uma aparência física idealizada. Verifica-se cada vez mais a valorização da estética, tendo esta vindo a assumir particular importância uma vez que provoca sentimentos de aceitação ou de censura social, conduzindo as pessoas a percepcionarem a beleza como o "ingrediente chave" para o sucesso na sua vida.


Assiste-se ainda a uma sobrevalorização da juventude, queremos parecer eternamente jovens, pois sermos jovens significa estarmos no nosso máximo potencial a nível físico e mental. Existe pânico geral quando se fala de velhice e aparecimento de rugas faciais, despoletando assim um desejo em eliminá-las, extinguindo desta forma os sinais de envelhecimento. Esta cultura padronizada de beleza, na qual a juventude está implícita, influencia a forma como a maioria das pessoas percebem os seus corpos. Aspirando conseguir este ideal, ficam insatisfeitas com a sua aparência física, levando esta percepção negativa a estados afectivos negativos.

 

A forma como percepcionamos o nosso corpo, ou seja a nossa "auto-imagem" tem como base experiências e vivências, assim como estímulos presentes e expectativas futuras. Ter uma boa "auto-imagem" potencializa a beleza e a saúde, estando esta directamente relacionada com a auto-estima, as pessoas que se avaliam como belas (ou seja, que têm uma boa auto-imagem) têm maior facilidade em apresentar mais auto-estima, o que lhes proporciona uma melhor qualidade de vida relativamente àquelas que não se vêem como tal, apesar de muitas vezes serem bastante atraentes (tendo em conta o "padrão" actual de beleza). O que acontece por vezes é que a auto-estima distorce a "auto-imagem".

 

 

Catarina de Castro Lopes
Psicóloga Clínica na WHITE

Estética em Medicina Dentária – Parte 2

No último post falámos um pouco acerca dos possíveis tratamentos estéticos passíveis de efectuar à nossa dentição – branqueamento dentário, restaurações, coroas e facetas cerâmicas, ortodontia, etc. Estes tratamentos permitem modificar a posição, encaixe e aspecto visível dos nossos dentes, sem no entanto alterarmos o que os rodeia: a gengiva, lábios, e todos os tecidos peri-orais. Estes factores são importantíssimos para a Estética global, e nunca deverão ser menosprezados. Um mau contorno gengival, por exemplo, poderá deitar por terra o resultado final de um tratamento estético dentário. De que serve um “quadro” bonito, quando a “moldura” não é suficientemente estética?

 

Uma gengiva sã, com contorno alinhado, é um requisito fundamental para obtermos um sorriso estético. Para tal, para além de uma correcta higiene oral, poderemos fazer diversas intervenções que permitem melhorar o nosso sorriso a nível gengival. A gengivectomia, o recobrimento radicular e o peeling gengival são três desses exemplos. No primeiro tratamento removemos eventuais excessos de gengiva (que poderão esconder parte da estrutura dentária, dando a impressão de que os dentes são muito curtos, ou de que mostramos demasiada gengiva quando sorrimos), permitindo, também, realinhar o contorno gengival, quando este é irregular. Já no caso do recobrimento radicular, iremos recuperar a gengiva perdida (por exemplo, quando a gengiva regrediu, expondo parte da raiz), mediante diversas técnicas. Finalmente, o peeling gengival, consiste numa ligeira abrasão dos tecidos gengivais, feita com anestesia local, que permite remover eventuais manchas que existam na gengiva, permitindo obter uma estética mais favorável.

 

Relativamente aos lábios e aos tecidos peri-orais, podemos afirmar que muitas vezes as rugas que apresentamos são de origem dentária. Como?

Sabemos que grande parte do suporte do terço inferior da face (entre o nariz e o queixo) é dado pela estrutura óssea e dentária subjacente. Ao perdermos um ou mais dentes, esse suporte fica diminuído, levando a um colapso da nossa pele, responsável por algumas das rugas profundas que surgem na nossa face. Uma boa maneira de evitar e reduzir essas mesmas rugas, é voltar a recuperar esse suporte, repondo os dentes em falta (seja com próteses, implantes, coroas em cerâmica, etc.), e complementar esse tratamento com eventuais técnicas de cirurgia plástica (aplicação de ácido hialurónico, botox, etc).

 

Devemos sempre considerar a estética como um todo, não como a soma isolada das várias partes que a compõem – assim sendo, para além de se limitar a intervir na sua dentição, considere melhorar o aspecto das suas gengivas e lábios. Verá que os resultados serão ainda mais gratificantes!

Rugas de origem dentária

Boa noite,

 

Tenho 57 anos e perdi quase todos os meus dentes num acidente de carro há 3 anos. Desde aí tenho vindo a reparar que as rugas na minha cara se tornaram mais vincadas. Será devido à idade e ao stress, ou os dentes podem ter alguma coisa a ver com isso?

 

Actualmente uso uma placa removivel, mas detesto-a, porque magoa nalgumas zonas, e tem tendencia a mexer-se.

 

Que soluções existem para o meu caso? gostava de ter dentes fixos novamente e de diminuir as rugas, que me fazem parecer ter mais 20 anos.

 

Obrigada desde ja,

 

Ana